Total de visualizações de página

quarta-feira, 28 de outubro de 2015

Instituições se reúnem para alavancar produção de energia limpa no Ceará

Diversas instituições públicas e privadas ligadas ao setor de geração de energia sustentável se reuniram na manhã desta terça-feira (27), no Palácio da Abolição, em Fortaleza, para discutir ações que resultem no crescimento produtivo no Ceará. Discutiu-se, também, a elaboração do Plano Estadual de Energia, que visa explorar potenciais e resolver os gargalos do setor no estado.

Responsável por conduzir os diálogos entre os participantes, o governador Camilo Santana falou da felicidade de estar podendo reunir os mais variados segmentos que englobam o setor de geração de energia no estado para discutir melhorias e avanços na área. Santana ratificou o emprenho de seu governo em colaborar a impulsionar a produção energética no Ceará.

O titular da Superintendência Estadual do Meio Ambiente (Semace), José Ricardo Araújo, disse que a autarquia está preparada para contribuir com o avanço do Estado no cenário nacional na geração de energia limpa. “A Semace é a responsável pelo licenciamento da grande maioria desses empreendimentos. Nós possuímos um corpo técnico bastante qualificado e experiente que analisa com critério todos os pedidos de licença ambiental para usinas eólicas, solares”, destacou Araújo.

Durante a reunião, em alguns momentos levantaram a questão do tempo que o licenciamento ambiental desses projetos leva. Porém, o superintende da Semace afirmou que isso ocorre por se tratar de atividades que demandam a elaboração, por parte do empreendedor, de estudos ambientais mais complexos, já que envolvem grandes áreas e com relevância ambiental. Além disso, uma série de documentos são solicitados para garantir a legalidade do processo, a exemplo das anuências de outros órgãos. A análise feita pelo corpo técnico da autarquia também é feita de maneira minuciosa. Essa série de fatores faz com que, muitas vezes, necessite-se de um período maior.

“Para se ter uma ideia, em empreendimentos de geração de energia solicitamos que apresentem à Semace um EIA/Rima (estudo de impacto ambiental e seu respectivo relatório), que é o mais completo. Esse levantamento é demorado pela variedade de temas abordados. Após nos entregarem, temos que esperar 45 dias para apresentá-lo à comunidade afetada durante uma audiência pública. Em seguida é que nós faremos um parecer técnico e enviaremos ao Coema (Conselho Estadual do Meio Ambiente) para que ele aprove ou não a emissão da licença”, concluiu Araújo detalhando uma das fases do processo de licenciamento ambiental.

Estiveram presentes na reunião representantes das secretarias da Infraestrutura, Desenvolvimento Econômico, Meio Ambiente, Ciência Tecnologia e Educação Superior; de órgãos federais como o Ministérios das Minas e Energia, ANEEL, Chesf e Eletronorte; entidades de classe como a FIEC, APRECE, Fecomércio e CDL, além de instituições e empresas ligadas ao setor energético.

Por Fhilipe Augusto da Ascom da Semace

segunda-feira, 26 de outubro de 2015

6º Jeri Eco Cultural

A combinação entre a paisagem da paradisíaca praia de Jericoacoara, grandes atrações artísticas e o envolvimento da comunidade local em atividades sustentáveis, é a essência do Jeri Eco Cultural, que chega a sua sexta edição em 2015.  O 6º JERI ECO CULTURAL acontecerá nos dias 30 e 31 de outubro. Na programação, oficinas ambientais de horta solidária e sabão ecológico para a comunidade e o show inédito Dancê da cantora Tulipa Ruiz, com abertura da dupla piauiense radicada em Jeri, Luã Passos e Zaqueu Souza.

O projeto JERI ECO CULTURALvisa incentivar a cultura, a economia e a consciência ambiental no Parque Nacional de Jericoacoara (CE) e vizinhanças, utilizando apresentações musicais como instrumento de sensibilização para valorização do desenvolvimento local e da população brasileira. A realização do evento é do Instituto Vértice, com patrocínio do Governo do Estado do Ceará,Coca Cola e Expresso Guanabara através da Lei Estadual de Apoio à Cultura e apoio da Prefeitura Municipal de Jijoca.

OFICINAS AMBIENTAIS PARA COMUNIDADE

Esse ano, o 6º JERI ECO CULTURAL promoverá oficinas de horta solidária e sabão ecológico, em parceria com o projeto Engenheiros Sem Fronteiras – Núcleo Fanor, da faculdade Fanor/Devry. Com aulas teóricas e práticas, essas têm por objetivo despertar a consciência ecológica, seja reaproveitando espaços subutilizados para plantação de alimentos sem agrotóxicos ou reutilizando o óleo de cozinha para a fabricação do sabão, estimulando ainda o convívio social, a qualidade de vida e o empreendedorismo.
As oficinas serão realizadas durante a sexta-feira (30), de 8h às 12h e de 14h às 18h, no Espaço Multiuso. É importante ressaltar que todas as ações e atrações do 6º JERI ECO CULTURAL são gratuitas para viabilizar a participação da comunidade e dos visitantes e que, durante o evento, todos serão estimulados a recolherem corretamente seu lixo.

 SHOW DE TULIPA RUIZ

Em 2015, o JERI ECO CULTURAL retoma suas atividades, trazendo uma atração musical nacional. No sábado (31), Luã Passos e Zaqueu Souza se apresentam às 20h, abrindo para Tulipa Ruiz, quesobe ao palco às 21h com o seu último trabalho, Dancê. Inédito no Ceará, o show é um convite para dançar, do começo ao fim.

Cinco anos depois de estrear no mercado independente com “Efêmera” e seu repertório pop solar, se consolidando como revelação da música brasileira dois anos depois com “Tudo Tanto”, mais na pegada pop rock, a cantora e compositora paulista surpreende e se reinventa com Dancê. Produzido por Gustavo Ruiz - irmão, guitarrista, parceiro em dez das 11 novas composições e produtor de todos os seus trabalhos -, o repertório de Tulipa continua pop e mantém ecos solares, mas foi feito para dançar. “É um álbum para se deixar levar”, explica o produtor.

A sonoridade está ainda mais encorpada, em faixas com forte presença de metais e sopros, com arranjos de Marcio Arantes e Jacques Mathias. Mas também tem canção para dançar a dois, colado. É uma pista particular para todas as cabeças e gerações. Ao longo de onze faixas, Tulipa versa, como sempre fez, sobre o agora. E o agora de Tulipa Ruiz é atemporal.  

Sobre Tulipa Ruiz - Nascida em Santos, criada na mineira São Lourenço e formada em Multimeios na PUC, de São Paulo, Tulipa Ruiz e o irmão, Gustavo, têm berço musical: o pai, Luiz Chagas, é guitarrista da vanguardista Isca de Polícia, banda que acompanhou Itamar Assumpção. As referências, entretanto, se espalham por Baby do Brasil, Zezé Motta, o grupo Rumo e as artistas internacionais e multimídias Meredith Monk e Yoko Ono, além de Joni Mitchell.

Ainda garota e já universitária, Tulipa teve algumas experiências musicais por hobby. O “valendo”, porém, veio só em 2009 quando a então redatora e ilustradora se assumiu como cantora e compositora. Os desenhos continuam presentes na carreira: em todos os encartes dos álbuns, em colaborações para o jornal Le Monde Diplomatique Brasil e na marca de roupas Brocal, que ela lançou em 2014 com sua empresária Heloisa Aidar e tem seus desenhos como matéria-prima para estampas.

 RETROSPETIVA JERI ECO CULTUTAL

De 2008 a 2012, o JERI ECO CULTURAL atingiu um público total de 60 mil pessoas. Entre as atrações que já tocaram na internacionalmente famosa praia de Jericoacoara, figuram: Paulinho Moska, Groovytown, Nando Reis, Chico César, Falcão (O Rappa) e os Loucomotivos, Batucada Elétrica, Céu, Mundo Livre S/A, Banda Eddie, Orquestra Sinfônica de Jijoca, Nigroover, DJ Leo Teruz, Nayra Costa e Criolo.

Vale destacar que nas primeiras edições do projeto, o grande foco foram as capacitações para as artesãs da Associação das Crocheteiras de Jijoca, que realizam importante trabalho artesanal e de geração de renda para os moradores da região. Em 2012, houve uma ampliação dos temas abordados e do público atingindo, com a realização as seguintes oficinas: fábrica de vassouras ecológicas, forno solar, combate às drogas; multi utilidades do lixo.

SERVIÇO - 6º JERI ECO CULTURAL

Dia 30/10 (Sexta-feira) – OFICINAS DE HORTA SOLIDÁRIA E SABÃO ECOLÓGICO
Horário: De 8h às 12h e de 14h às 18h
Local: Espaço Multiuso
GRÁTIS

Dia 31/10(Sábado) – SHOW DE TULIPA RUIZ COM ABERTURA DA DUPLA LOCAL LUÃ E ZAQUEU
Horário: A partir das 20h
Local: Espaço Multiuso
GRÁTIS

Realização: Instituto Vértice
Patrocínio: Governo do Estado do Ceará, Coca Cola e Expresso Guanabara, através da Lei Estadual de Apoio à Cultura e apoio da Prefeitura Municipal de Jijoca.

Capacitação - Seminário Internacional de Engenharia discute inovação e cidadania

As relações entre tecnologia e mobilidade, saúde e internet, clima e cidadania, entre outros temas de relevância para quem mora nas áreas urbanas serão discutidos no II Seminário Internacional de Engenharia. O evento é promovido pela Fanor | DeVry e acontece no na próxima quarta feira, 28 de outubro, no Teatro do Shopping Rio Mar.

Nesta edição, será abordado o tema Cidades inteligentes: a inovação que transforma o nosso mundo. O objetivo é discutir soluções que envolvem tecnologia e inovação para problemas que atingem as grandes cidades. O seminário também tem como foco contribuir para formar profissionais capacitados e conscientes do seu papel na sociedade.

Palestrantes nacionais e internacionais falarão sobre tendências para tornar as cidades mais eficientes. Entre eles os professores americanos John Morello e Eric Addeo da DeVry University, o Prefeito de Fortaleza, Roberto Claudio e Alexandre Araújo, autor do Primeiro Relatório do Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas.

Programação

13h – Apresentação de trabalhos científicos e lançamento do livro do Professor Paulo Sertek –

14h30 – Palestra: Cidade limpa e habitável: o uso da tecnologia e das políticas públicas
Palestrante: John Morello – Professor PhD Senior da DeVry University de Chicago (tradução simultânea)

15h30 – Palestra: A internet das coisas e interseções com e-health
Palestrante: Eric Addeo – Professor da área de Telecomunições da DeVry University (tradução simultânea)

16h30 – Coffee break

17h – Palestra: Mudanças climáticas e as cidades
Palestrante: Alexandre Araújo - PhD em Ciências Atmosféricas pela Universidade de Yale. Professor Titular do Mestrado em Ciências Físicas Aplicadas da Universidade Estadual do Ceará e autor do Primeiro Relatório do Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas.

18h – Palestra: Gestão da mobilidade urbana em metrópoles
Palestrante: Roberto Cláudio – Prefeito de Fortaleza

19h – Palestra: Creative Cities: o efeito borboleta das inovações
Palestrante: Igor Saraiva – Professor Mestre em Strategic Design pela Politecnico di Milano. Sócio-fundador da PorQueNão, empresa focada em Inovação em Serviços e Tecnologia, que atende marcas como Suvinil, Heineken, Deca e Dotz.

terça-feira, 20 de outubro de 2015

Abertura do VI CBJA reúne jornalistas de diversos lugares e discute Mundo em Transição

Em São Paulo, no Sesc de Vila Mariana, a noite desta terça-feira (20/10) foi marcada pela abertura do Congresso Brasileiro de Jornalismo Ambiental, que em sua sexta edição reuniu jornalistas de diversos lugares do Brasil. Na oportunidade, o jornalismo ambiental, em todos os tipos de segmentos, foi enaltecido pelos participantes convidados. Nesse ano o VI CBJA irá discutir o tema Mundo em Transição. De Fortaleza-CE, a jornalista Maristela Crispim, editora do Caderno Regional do jornal Diário do Nordeste, foi uma entre outras profissionais renomadas que falou sobre suas experiências diante da área. Ela foi ressaltada por diversos prêmios já conquistados na categoria de jornalismo ambiental. Na ocasião, Maristela discorreu sobre seu trabalho envolvendo a temática do bioma Caatinga e também da relevância de sua participação na Rede Brasileira de Jornalismo Ambiental. 


sexta-feira, 16 de outubro de 2015

Missão cumprida - apresentação no Fórum de Sustentabilidade IEP



E ontem (15/10) foi dia de firmar mais uma parceria através do projeto blog Coluna Eco News. Aprensentei o grande evento Fórum de Sustentabilidade IEP, no Centro de Eventos, com a presença de renomados profissionais e autoridades do nosso Estado. O sentimento é de dever cumprido e também de agradecimento a todos que me confiaram na execução dessa missão. Parabéns a todos da organização do IEP, além da Café Novo Comunicação, representada por Francisco Arrais. Até os próximos eventos!

Eficiência energética é destaque na Semana de Engenharia da UFC


Durante a Semana de Engenharia de Energia Renováveis (SEER), promovida pela Universidade Federal do Ceará (UFC), a Prátil, empresa do grupo Enel, marcará presença com palestra do responsável corporativo da Prátil no Ceará, Eduardo Guimarães, no dia 21 de outubro (quarta-feira), das 10h às 12h, no Centro de Tecnologia da UFC. Com o tema “Melhores Práticas em Geração Solar e Eficiência Energética”, Guimarães abordará as tendências de mercado; tecnologia; iluminação industrial e os projetos realizados pela Prátil. Além de gestor da empresa, o engenheiro Eduardo Guimarães é Mestre em Finanças e Seguros pela UFC e Pós-Graduado em Gestão Internacional de Negócios pela University Of Califórnia. 

A Semana de Engenharia de Energias Renováveis está em sua 3ª edição e tem como objetivo a disseminação do conhecimento nas diferentes áreas da Engenharia de Energias Renováveis e nos segmentos de interesse dos alunos da Universidade. O evento conta com programação científica, minicursos e palestras, abordando diferentes assuntos ministrados por profissionais renomados em suas áreas.

Sobre a Prátil

A Prátil, uma empresa da Enel, é especializada em eficiência energética e microgeração de energia solar no Brasil. Projetos de geração distribuída com energia solar são algumas das principais iniciativas desenvolvidas pela Prátil. Desde 2013, a empresa atua neste mercado, tendo instalado sistemas de geração distribuída em diferentes estados brasileiros.

Mais informações para a Imprensa:
AD2M Engenharia de Comunicação
www.ad2m.com.br | (85) 3258.1001
Nayana Agrela – nayana@ad2m.com.br | (85) 9.8893.8968
Rafaela Britto – rafaelabritto@ad2m.com.br | (85) 9.8893.9474

quarta-feira, 14 de outubro de 2015

Plano de manejo: Ceará se destaca em uma solução sustentável para uso de produtos florestais

foto ilustrativa: web
O Ceará é um dos estados brasileiros que se destaca pela quantidade de planos de manejo. Atualmente, existem 320 autorizados pela Superintendência Estadual do Meio Ambiente (Semace), por meio da Diretoria Florestal (Diflo). Desse total, 282 estão ativos. São 170.016 hectares liberados para o manejo, com quase 159 mil hectares efetivamente manejados no estado, o que representa 1% do território cearense.

Podemos descrever um plano de manejo como um conjunto de atividades e intervenções planejadas e adaptadas às condições das florestas aliado aos objetivos sociais e econômicos do seu aproveitamento. Ele visa a produção racional de produtos e subprodutos florestais (lenha, estaca, carvão etc) possibilitando seu uso de maneira sustentável.

De acordo com um levantamento feito em 2012 pela Associação Plantas do Nordeste (APNE), o Ceará era o estado que mais possuía planos de manejo florestal em áreas de Caatinga. Na época, existiam 468 planos nas regiões em que o bioma está inserido. Só em território cearense eram 206.

Como fazer

O Plano de Manejo deve ser elaborado por engenheiro florestal e/ou agrônomo. Esses profissionais devem ser habilitados e seguir as especificações do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (CREA). A autorização da exploração de área manejada, emitida após aprovação do plano, terá validade de um ano e será revalidada anualmente de acordo com o cronograma aprovado.

O processo do plano de manejo pode seguir três etapas. Na primeira, deve ser apresentada a planta do plano, na qual devem constar informações sobre zoneamento ou delimitação da propriedade florestal em locais exploráveis, áreas de preservação permanente e pontos que não serão explorados. Em seguida, deve-se planejar as estradas secundárias que se interligarão à área de exploração e estradas primárias. Por fim, serão divididos os blocos ou talhões a serem utilizados anualmente.

Por Fhilipe Augusto da Ascom da Semace.

Consumo Consciente é tema de audiência pública

Por iniciativa do vereador Deodato Ramalho (PT) a Câmara Municipal de Fortaleza vai realizar uma audiência pública para discutir o consumo consciente, na próxima sexta-feira, 16 de junho, às 9h, no auditório (Avenida Thompson Bulcão, 830 - Patriolino Ribeiro). O evento marca a passagem do Dia Nacional do Consumo Consciente, no dia 15 de outubro.

A data nacional foi instituída pelo Ministério do Meio Ambiente para despertar a atenção sobre esse tema que impacta diretamente na conservação da natureza. Segundo o Ministério do Meio Ambiente, a humanidade já consome 30% mais recursos naturais do que a capacidade de renovação da Terra. Diante disso, se os padrões de consumo e produção se mantiverem no atual patamar, em menos de 50 anos serão necessários dois planetas Terra para atender nossas necessidades de água, energia e alimentos.

Ao ter consciência desses impactos na hora de escolher o que comprar, de quem comprar e definir a maneira de usar e como descartar o que não serve mais, o consumidor pode maximizar os impactos positivos e minimizar os positivos. Essas pequenas mudanças no cotidiano da população podem impactar no futuro da sociedade, construindo um mundo melhor.  

Serviço:

Audiência Pública: Consumo Consciente
Data: sexta-feira, 16 de junho
Hora: 9h
Local: auditório da CMFor (Avenida Thompson Bulcão, 830 - Patriolino Ribeiro)


Mais informações com a assessora de comunicação do mandato, Mikaela Sampaio, através do telefone 98970.5219

Ana Luzia Brito apresentará o Fórum IEP de Sustentabilidade 2015

Agora é oficial! Serei a apresentadora do Fórum IEP de Sustentabilidade 2015. Aproveito para agradecer toda equipe do IEP pela parceria e apoio. E rumo à realização de um grande e importante evento que discutirá a sustentabilidade! 

Começa amanhã (15/10). Agende-se! É gratuito! 

As inscrições gratuitas podem ser feitas também no local. Para participar é necessário contribuir com 2 kg de alimento ou 2 latas de leite que serão doadas ao IPREDE Emoticon smile
Mais informações: http://forumiepdesustentabilidade.com/index.php/inscricoes/   

sábado, 10 de outubro de 2015

IMPERDÍVEL - Fórum IEP de Sustentabilidade - inscrições gratuitas!

Está chegando, está chegando!

Estudantes, educadores, gestores e poder público debatendo sobre a sustentabilidade como solução para o desenvolvimento.

EVENTO GRATUITO!
Faça já sua inscrição ☞: http://bit.ly/ForumIEP2015

sexta-feira, 9 de outubro de 2015

Fiscais da Semace embargam obra na Serra da Aratanha

Empreendimento cometeu crime de grande proporção e múltiplos danos em Área de Proteção Ambiental
Crimes ambientais de grande proporção e de múltiplos danos foram identificados por uma equipe de fiscais da Superintendência Estadual do Meio Ambiente (Semace), nesta sexta feira (9), durante vistoria realizada no canteiro de obra de um imóvel, localizado na Área de Proteção Ambiental (APA) da Serra da Aratanha, em Maranguape, Região Metropolitana de Fortaleza.
Segundo relatório preliminar apresentado pela Diretoria de Fiscalização da Semace, foram constatados um desmatamento, a abertura de uma estrada, ambos sem licença registrada na autarquia, e o barramento de um curso de água, próximo à fonte.
Diante da evidência dos danos, os fiscais embargaram a obra, por tempo indeterminado. Nenhum proprietário ou responsável pela obra estava no empreendimento, na hora da vistoria. Um adesivo afixado em local visível ajudará os moradores da área a denunciar qualquer nova ação na área. O trabalho da fiscalização segue em busca de identificar e responsabilizar o dono do imóvel.
“Qualquer outro procedimento, é outra sansão que aplicamos”, afirmou o diretor de fiscalização da Semace, Tiago Bessa. “A multa pelo desmatamento sem licença, dependendo da área, pode chegar a R$ 10 milhões”, completou.
Este foi o primeiro caso de desmatamento de grande proporção observado pela Semace, na APA da Serra da Aratanha. Mensalmente, a autarquia recebe, em média, 250 denúncias de ameça ou agressão ao meio ambiente, sendo a grande maioria apresentada pelo Disque Natureza (0800.752233).

quinta-feira, 8 de outubro de 2015

Cearense cria serviço de entrega de encomendas utilizando bicicletas​

Disponível para 14 bairros, o Bike Já pretende ampliar sua atuação em outras regiões de Fortaleza e se diferencia dos outros serviços por oferecer monitoramento online

​Ao pedalar por Fortaleza, o advogado e professor de Direito ​Rafael Diogo Lemos teve a ideia de criar um sistema de entrega de documentos e encomendas em uma bicicleta. Ciclista há 10 anos e tendo observado o aumento da infraestrutura cicloviária em Fortaleza, ele acreditou na ideia e levou adiante. De início, contratou quatro ciclistas para realizar as atividades do serviço que recebeu o nome de Bike Já. Com apenas um mês de funcionamento, a entrega sob duas rodas já funciona em 14 bairros da cidade: Centro, Aldeota, Meireles, Varjota, Mucuripe, Praia de Iracema, Dionísio Torres, Joaquim Távora, Coco, Papicu, Bairro de Fátima, Benfica, Água Fria e Edson Queiroz.
O Bike Já funciona com monitoramento online, ou seja, é possível saber a localização exata da encomenda por meio de aplicativo ou computador. Inicialmente o projeto atende a distâncias de até oito quilômetros, com tempo de deslocamento de, no máximo, 20 minutos, desde o ponto de origem ao destino. O funcionário utiliza equipamentos de segurança, como o capacete e o fardamento para a identificação. O serviço funciona de segunda à sexta-feira, das 8h às 17h30. Para percursos de até três quilômetros, é cobrada uma taxa de R$ 10.



Na bicicleta, há uma cesta na frente, que acomoda até oito quilos, e uma mochila grande, permitindo que os documentos cheguem ao destino tal qual como saíram, sem danos ou amassados. Os equipamentos são impermeáveis, possibilitando que o trabalho siga normalmente em dias de chuva, com a diferença no fardamento do condutor, que terá capa específica para esses dias. Para controle do usuário, o ciclista utiliza um recibo de entrega, com a assinatura do destinatário. 


Neste primeiro mês após o lançamento, o serviço já tem um bairro líder em pedidos: Aldeota. Apesar de ter maior volume, é o bairro mais agradável segundo os ciclistas que realizam as entregas. “É a região que possui a maior quantidade de estabelecimentos Bike Friendly, espaços que ofertam alguma cortesia ao ciclista. Lá, eles podem parar e descansar um pouco, tomar uma água gratuita e até têm desconto no café”, explica o idealizador Rafael Diogo Lemos.

Economia
O serviço de coleta e entrega, que antes era oferecido apenas por motocicleta, tem agora a opção da bike, que além de não ser poluente, não faz tanto barulho quanto a moto e pode ser mais acessível financeiramente. Na última terça (29), a Petrobras anunciou um reajuste sobre o preço da gasolina em 6% e sobre o diesel de 4%. “A bicicleta passa a sensação de bem-estar. No trânsito, as pessoas elogiam, parabenizam. E para o ciclista é bom também, quem pedala sabe que o relacionamento com a cidade se intensifica, você acaba se tornando mais gentil. Andar de bicicleta é um exercício de cidadania”, enfatiza Rafael Diogo. Para o serviço, ele contratou ciclistas, com experiência em pedalar pela cidade, e até atletas. Para incentivar o esporte, o Bike Já apoia os atletas com ajuda de custo para viagens onde irão realizar campeonatos, compra de suplementos, entre outros.

Malha cicloviária
Um dos motivos que fez o Bike Já surgir foi o incentivo aos ciclistas. No início da atual gestão, Fortaleza tinha 73 quilômetros de infraest
​r​utura cicloviária. Em 2013, a cidade recebeu sua primeira ciclofaixa, na Rua Ana Bilhar. De acordo com a Secretaria de Conservação e Serviços Públicos, Fortaleza possui atualmente 128,8 km de infraest​r​utura cicloviária, sendo 78,8 de ciclovias e 50 km de ciclofaixas. E até agosto de 2016, esse número deve subir para 216 km de ciclovias e ciclofaixas.
Aliado a esse crescimento, a consciência do fortalezenses sobre a importância da bicicleta no trânsito tem aumentado. “Claro que no início, teve quem fosse contra. Mas hoje é comprovado como o incentivo à bicicleta é importante para a cidade. Ocupa menos espaço, não polui, tem o custo-benefício atrativo e ainda melhora a nossa saúde. A conscientização que precisamos hoje é de que a bike não é antagonista ao carro, e isso vale para os dois lados. Todos têm seu lugar no trânsito, precisamos saber conviver”, opina o criador do Bike Já, Rafael Diogo.

Sobre o projeto
O Bike Já funciona com a coleta e entrega de documentos, malote, cartas e outros objetos que possam ser transportados em uma bicicleta. A tarifa, para pessoa física, em deslocamentos de até três quilômetros é de R$ 10, a partir de quatro quilômetros o valor é fixo de R$ 14. Para empresas, há pacotes mensais com valor de acordo com a necessidade. O pagamento pode ser à vista, através de cartão ou boleto bancário. O serviço pode ser solicitado através de ligação telefônica ou mensagem de texto pelo whatsapp para o número (85) 9 8501-1465.

Serviço
Bike Já
Contato: (85) 9 8501-1465
Site: www.bikeja.com.br
Facebook: /bikejafortal
Instagram: @bikejafortal


Mais informações:
Mandalla Comunicação - Assessoria de Imprensa
Monique Oliveira - (85) 9 8832 4118 / 9 9942 5956 TIM
moniqueoliveira@mandallacomunicacao.com.br
Karlos Aires – 9 8641.8736 Oi / (85) 9 9905.2649 TIM 
mandallacomunicacao@gmail.com

PRODER da UFCA abre inscrições para mestrado em sustentabilidade

O Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento Regional Sustentável (PRODER), da Universidade Federal do Cariri (UFCA), abre inscrições para o mestrado, a partir da próxima terça-feira, 13 de outubro. São oferecidas 20 vagas, distribuídas em duas linhas de pesquisa: Ambiente e Desenvolvimento Regional Sustentável (10 vagas) e Sociedade, Estado e Desenvolvimento Regional Sustentável (10 vagas).

As inscrições para ingresso no período letivo 2016.1 seguem até o dia 30 de outubro. Podem se inscrever brasileiros natos ou naturalizados e estrangeiros residentes no Brasil. A divulgação dos resultados das etapas será feita em http://www.si3.ufc.br/sigaa/public e no portal da UFCA (www.ufca.edu.br) e também no mural do PRODER (na sala 92, bloco III, Campus da UFCA em Juazeiro do Norte). O resultado final do processo seletivo será divulgado a partir do dia 17 de dezembro de 2015.

Na primeira etapa da seleção, será feita uma análise do currículo Lattes dos candidatos, seguido de avaliação do plano de dissertação apresentado. A segunda fase consiste em prova escrita de conhecimentos na área de desenvolvimento regional sustentável e nas linhas de pesquisa do programa. A terceira etapa será uma prova de compreensão de texto em língua estrangeira (inglês). As pontuações e os critérios de cada passo estão descritos no edital de abertura do processo seletivo.

Para acessar o edital, clique em
Mais informações sobre o programa podem ser obtidas em http://proder.ufca.edu.br, pelo e-mail proder@cariri.ufc.br ou pelo telefone (88) 3572 7232.

Outras informações
Coordenadoria de Jornalismo Institucional
(88) 3572 7236

quarta-feira, 7 de outubro de 2015

Jornalistas debatem as transformações da profissão e do planeta no VI CBJA

De ponta, a tecnologia recria o fazer jornalístico e o futuro da profissão. Na outra ponta, as mudanças climáticas transformam o planeta. Entre elas, experimentam-se outras formas de desenvolvimento, das comunidades locais às grandes economias. Vivemos um “mundo em transição”. E este é o tema que conduz os debates do VI Congresso Brasileiro de Jornalismo Ambiental (VI CBJA). Acontece no Sesc Vila Mariana, em São Paulo, entre os dias 20 e 22 de outubro, com organização da Rede Brasileira de Jornalismo Ambiental e Instituto Envolverde.
O CBJA é o principal evento para jornalistas e profissionais de comunicação que atuam com pautas ambientais e de sustentabilidade no Brasil. A cada dois anos, reúne profissionais de todo o país para um diálogo aberto sobre a cobertura ambiental realizada no Brasil e uma atualização sobre temas fundamentais para o desenvolvimento sustentável. O evento também reúne pesquisadores da área de jornalismo ambiental em uma mostra científica reconhecida no cenário acadêmico.
Pautas
Nestes três dias, mesas de diálogo vão avaliar a cobertura da mídia sobre as pautas da sustentabilidade, como: “Mudanças climáticas e a pauta da COP 21”, “Resíduos sólidos e o desafio do século XXI” e “Crise de abastecimento de água: a pauta da urgência”. Já as rodas de conversa priorizam um olhar sobre as mudanças no ambiente jornalístico: “A era da desinformação - a manipulação da opinião pública através da web” e “De que jornalismo o amanhã precisa?” reúne jornalistas que estão refletindo e experimentando nas fronteiras do fazer jornalístico. Um diálogo de peso também está prometido na mesa “Convergência de mídias e novos negócios no jornalismo”, que traz a criatividade e o empreendedorismo de figuras como Gustavo Faleiros (Earth Journalism Network e Infoamazônia.org), Ricardo Voltolini (Ideia Sustentável) e Bruno Torturra (Fluxo), com mediação de Dal Marcondes (Envolverde).
Renomes
Outros debates sobre jornalismo investigativo, movimentações da legislação ambiental e jornalismo ambiental nas cidades também marcam presença, trazendo a experiência de nomes como Luciano Martins Costa (Observatório da Imprensa), Maria Zulmira (Planetária/criadora do Repórter Eco), Natália Viana (A Pública), Mario Osava (Inter Press Service), Sérgio Lírio (Carta Capital) e Liana John (Camirim Editorial, cinco vezes agraciada pelo Prêmio de Reportagem sobre Biodiversidade da Mata Atlântica).
A abertura fica por conta do testemunho corajoso de Lúcio Flávio Pinto (Jornal Pessoal), que chama a atenção para a linha de frente: “Eu sou da linha de frente e nunca vou sair. Porque isso dá uma qualidade única ao Jornalismo entre todas as Ciências: o ‘eu vi’, o ‘estar na hora certa, no lugar certo’. Vivência. É isso que falta para o jornalismo hoje”, ele adianta.
Depois de três dias de reflexão e crítica, a palestra de André Trigueiro (editor-chefe do Cidades e Soluções/Globo News) promete encerrar o VI CBJA com uma boa dose de entusiasmo. Trigueiro foi premiado mais de 20 vezes pelas suas reportagens e é hoje a maior referência brasileira no jornalismo ambiental televisivo. Ele divide com o público as inspirações de quem enxerga caminhos e papeis estratégicos para o Jornalismo neste cenário de um “Mundo em Transição”.
VI Congresso Brasileiro de Jornalismo Ambiental
Dias 20, 21 e 22 de outubro de 2015
Local: Sesc Vila Mariana – Rua Pelotas, 141, Vila Mariana, São Paulo
Inscrições gratuitas e informações: jornalismoambiental.org.br

Agenda 2030 é adotada na ONU. E o Brasil com isso?

Urgente - Ainda há muitos paradigmas diante da implementação da Agenda 2030. O mais importante é não deixarmos de lado a relevância sobre o assunto, discutindo sempre os entraves e desafios para a sua implementação, mas mais que isso: entender, acompanhar e questionar diretrizes e estratégias de governo no que diz respeito à implementação da ODS (Objetivos do Desenvolvimento SustentáveL) no Brasil. 

Confira mais sobre o assunto no texto de Alessandra Nilo, do blog da Carta Capital.

Agenda 2030 é adotada na ONU. E o Brasil com isso?

Francisco não deixou pedra sobre pedra ao discorrer sobre as mazelas planetárias, causadas pela ganância desenfreada e corrupções 
Sebastian Rodriguez/Gobierno de Chile
Papa-Francisco
O Papa pede que os Estados priorizem suas populações, não apenas as classes dominantes

Quanto mais Chefes de Estados proferiam discursos na Cúpula para o Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas, mais luzes vermelhas se acendiam nas mentes que observavam criticamente aquela animada verborragia.

Com transmissões ao vivo reunindo líderes governamentais e não governamentais, e cravando capas dos principais jornais do mundo, estava claro que nos reuníamos em Nova Iorque não apenas para celebrar a adoção dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS).

Enquanto muitos governos se aproveitavam de torções narrativas e do ambiente de negócios que há muito percorre os corredores das Nações Unidas, nas sessões oficiais e paralelas, a sociedade civil os chamavam à crítica realidade: uma vez aprovada a Agenda 2030, o foco deveria ser como implementar seus dezessete Objetivos e 169 metas.

Mas a análise de vários discursos, afinal, indicou que, apesar das inúmeras referências à capacidade transformadora dos objetivos, tamanha ênfase também era parte do composé de políticos experientes que jogavam com a plateia.

É realmente difícil mudar os paradigmas do desenvolvimento, ainda substancialmente dominado pelo econômico sobre o social e ecológico. Por isso, qualquer análise contundente sobre os ODS deve ter por premissa que, mesmo não sendo o ideal para resolver os graves problemas mundiais, representam um acordo não legalizado, o consenso possível, entre países – diversos em suas culturas, crenças, capacidades econômica e relações de poder – no sentido de acomodar a disputa primordial entre os interesses públicos e privados.

Por isso, nas lotadas sessões principais e nos diálogos interativos, ecoava a denúncia da sociedade civil: é preciso fazer diferente. Do contrário, o utilitarismo neoliberal, que tenciona as negociações do Financiamento para o Desenvolvimento, seguirá impedindo a efetiva implementação dos ODS e a pactuação com processos nacionais que incluam múltiplas vozes (principalmente as das populações vulneráveis e marginalizadas) e que estabeleçam mecanismos transparentes para avaliação das ações nos territórios.

O discurso que precedeu a abertura da Cúpula estabeleceu o tom sobre o tamanho do desafio. O Papa Francisco arrancou aplausos dos mais poderosos Chefes de Estado do mundo que, de pé, agradeciam a mistura de sermão e sabão que acabavam de receber.

Francisco não deixou pedra sobre pedra ao discorrer sobre as mazelas planetárias, causadas e alimentadas pela ganância desenfreada e pelas corrupções – da alma, inclusive – e permitidas por governos de interesses questionáveis.

O Papa sabia muito bem do que falava: herdeira dos Objetivos do Desenvolvimento do Milênio – ODM –, a Agenda 2030 se apresenta como um imperativo mínimo para uma esperança civilizatória. "Os objetivos do desenvolvimento sustentável nos desafiam a mudar paradigmas, a regular interesses privados para garantir que o interesse público prevaleça", disse o Papa, clamando que a ética na política exige que os Estados, antes de tudo, prestem contas e priorizem suas populações, não apenas as classes que dominam, política e economicamente, as pessoas e o planeta."

Os discursos das lideranças reforçaram o potencial da Agenda 2030. Mesmo imperfeita, ao contrário dos objetivos do milênio, é universal, isto é, refere-se a todos os países e implica que, dos mais ricos aos mais pobres, todos terão que prestar contas desse acordo. Nela articulam-se agendas bem mais complexas, a partir de um diagnóstico de que políticas alinhadas à desregulação financeira, ao endividamento público, e ao aumento da poluição apenas expandiram as desigualdades, a pobreza, a violência e a insatisfação social.

Assim, questionar esse modelo de desenvolvimento insustentável e falido é uma das oportunidades também em âmbito nacional. Esta semana tivemos as pistas de como cada Estado-Membro da ONU pretende enfrentar seus desafios.
Dilma-Rousseff
Dilma ainda não entendeu o potencial transformador da Agenda | Crédito: Roberto Stuckert Filho/PR
A Presidente Dilma, por exemplo, destoou do ambiente geral na Cúpula ao focar, quase exclusivamente, no anúncio das metas para o clima. Apesar de ter atraído atenção positiva sobre a proposta, demonstrou que, ao contrário de outros estadistas, ainda não entendeu que o potencial transformador da Agenda é justamente a articulação intrínseca dos seus dezessete Objetivos.

Perdeu uma boa oportunidade frente à ausência de pautas nacionais verdadeiramente positivas e alertou para o risco que correm os ODS no Brasil: serem tratados estreitamente como uma agenda do meio-ambiente apenas.
Também soou estranho, nesta situação de desmantelamento de políticas sociais importantes, o discurso que proferiu na segunda-feira, 28, na abertura da 70ª Assembleia da ONU, no qual afirmou que "raça e gênero são prioridades do meu governo (...) que não temos problemas estruturais, apenas de conjuntura (...)".

Prefiro líderes como o Papa que, além de reconhecer os desafios existentes, fez questão de nomeá-los, de apontar alternativas e de indicar que conjunturas são menos consequências do desejo divino do que das ações de governantes.

Assim, observando o que passa hoje a população indígena brasileira, as cifras dos assassinatos de jovens negros, das mulheres, de gays e travestis; os dados sobre aumento da pobreza; a situação da saúde, educação e os índices de competitividade que despencam, é possível afirmar que a implementação dos ODS no Brasil, mesmo sendo uma agenda básica, exigiria a transição de um Estado – e de uma sociedade – que desrespeitam direitos, para um Estado que, além de manter os avanços das últimas décadas, garanta as pautas da equidade de gênero, das igualdades raciais, do respeito étnico, da orientação sexual, da democracia econômica e do direito ao meio-ambiente.

Alinhar-se aos ODS e a outros compromissos internacionais, exigiria ainda a coragem de optar por uma política tributária progressiva, de obrigar grandes empresas, corporações nacionais e transnacionais, a atuarem sob o marco dos direitos humanos e ambientais. Implicaria em construir alianças verdadeiramente democráticas, inclusive envolvendo a sociedade civil brasileira na construção dos indicadores nacionais.

Um passo importante seria também o de atender a demanda pela criação de uma Comissão Nacional multissetorial (como são os próprios ODS), com eficiência deliberativa e dotação financeira apropriada. A sociedade civil que estava na delegação brasileira para a Cúpula dos ODS esperou em vão, tanto por uma reunião com a própria Presidente Dilma, quanto pelo anúncio dessa Comissão – como fez a Costa Rica –, mas a dança das cadeiras ministeriais tornou esse anúncio impossível.

De Nova Iorque, voltamos ao Brasil com a certeza de que aqui será missão impossível implementar os ODS sem antes revertermos o atual contexto, no qual setores descompromissados com a defesa dos direitos e bens comuns crescem via barganhas pela manutenção do poder ou da governabilidade. Estadistas são líderes com visão estratégica, comprometidos com o desenvolvimento do seu povo. Aparentemente, estão em falta por aqui.


* Alessandra Nilo é coordenadora da ONG Gestos, diretora da Abong, membro da Força Tarefa para Cairo+20, da LACCASO e do Grupo de Reflexão sobre Relações Internacionais/GR-RI.
 Fonte: http://www.cartacapital.com.br/blogs/blog-do-grri/agenda-2030-e-adotada-na-onu-e-o-brasil-com-isso-194.html




Fiscalização integrada coíbe uso, venda e armazenamento irregular de agrotóxicos

Os resultados de uma operação integrada de fiscalização, realizada no final de setembro, na Serra de Ibiapaba, contra o uso, armazenamento e comércio ilegal de agrotóxicos foram apresentados na manhã desta segunda-feira (5), no Ministério Público do Ceará, em Fortaleza. Os municípios fiscalizados foram Viçosa do Ceará, Tianguá, Ubajara, Ibiapina, São Benedito e Guaraciaba do Norte. Esta foi a terceira ação em 2015 e mais duas estão programadas para ocorrer em datas e regiões ainda a serem divulgadas.

O grupo fiscalizou 23 propriedades rurais de diferentes porte e cultura. Desse total, apenas quatro não utilizavam agrotóxico no cultivo. As outras 19 apresentaram algum tipo de irregularidade, resultando na aplicação de 48 autos pelas instituições envolvidas. A Superintendência Estadual do Meio Ambiente (Semace) é responsável por fiscalizar a venda desses produtos e registrá-los. Dos 19 estabelecimentos comerciais visitados, em seis ficaram constatadas infrações. Na ocasião, os fiscais ambientais da autarquia emitiram sete autos de infração.

De acordo com o gerente da Agência de Defesa Agropecuária do Ceará (Adagri), Daniel Aguiar, as principais irregularidades encontradas no campo foram relacionadas ao armazenamento dos agrotóxicos, prescrição de receita para cultura inexistente, uso de produtos sem ser indicado para o tipo de cultivo, falta de equipamentos de proteção individual, entre outros. Já no comércio, as queixas se concentraram na ausência de autorização da Semace, responsável técnico indevido, venda de agrotóxico sem retenção de receituário agronômico e de produtos sem registro na Semace.

As regiões do Ceará escolhidas para a realização dessas operações estão seguindo parâmetros de relevância da atividade agrícola no local, quantidade de revendas, presença de perímetros irrigados, consumo de agrotóxicos, queixas da população, destinação de embalagens vazias, casos de intoxicação e resíduos encontrados em alimentos e na água.

Amisterdan Ximenes, promotor de justiça e assessor do Centro de Apoio Operacional de Proteção à Ecologia, Meio Ambiente, Urbanismo, Paisagismo e Defesa do Patrimônio Histórico, Artístico e Cultural (Caomace), ressaltou que nem só o trabalho de fiscalização está sendo feito. “Concomitantemente está havendo um trabalho de educação ambiental feito pela Sema (Secretaria do Meio Ambiente) e o Inpev (Instituto Nacional de Processamento de Embalagens Vazias) em que já podemos ver resultado”, ressaltou o promotor.

Participaram da operação integrada os técnicos da Semace, Sema, Adagri, Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura (Crea). O Batalhão de Polícia Militar Ambiental (BPMA) também colaborou com a ação.

Por Fhilipe Augusto da Ascom da Semace

Curso de formação do CAR chega à Tauá e já atinge 13 territórios rurais no Estado

Mais vinte técnicos capacitados com o curso sobre o Cadastro Ambiental Rural (Car) no município de Tauá. De 28 de setembro a 02 de outubro, a Superintendência Estadual do Meio Ambiente (Semace) esteve no Instituto Federal do Ceará daquela região, onde promoveu mais uma capacitação em parceria com a Escola de Gestão Pública do Estado (EGP). O treinamento tem como objetivo formar multiplicadores, para que os mesmos possam auxiliar de forma gratuita os pequenos proprietários rurais (até quatro módulos fiscais) a se cadastrarem no CAR e divulgarem as questões relativas ao cadastramento.

A capacitação ocorreu das 08 às 17h, sob o comando das palestrantes e engenheiras florestais da Diretoria Florestal (Diflo) da Semace Marcela Eberius e Jaine Cubas. Ao todo o curso fornece 40 horas/aula. Na sexta-feira (02) foi realizado mutirão de cadastramento, no intuito dos alunos auxiliarem os produtores a se cadastrarem sobre a supervisão das instrutoras da Superintendência.

De acordo com a Diflo da Semace, com esses treinamentos sobe o número de municípios capacitados e juntamente o número de facilitadores para auxiliar os pequenos proprietários e posseiros rurais, os dados serão atualizados no site da Semace mensalmente, divulgando os municípios e quantidade de capacitados. A partir dos 13 territórios rurais as atividades referentes ao CAR foram iniciadas: no Cariri, Inhamuns, Jaguaribe, Sertão Central, Região Metropolitana, Maciço de Baturité, Centro-Sul estando em etapas diferenciadas de execução. O curso ocorre em Sobral, de 05 a 09 de outubro.

De acordo com a Diflo da Semace, no total foram 100 cadastros apresentados pelos alunos dos cursos. Cada aluno só precisa mandar o total de cinco cadastros referente ao CAR. “Com certeza estão fazendo muito mais do que isso. Até maio de 2015 tinham sido feitos 475 cadastros. Em cinco meses de capacitações e sensibilizações o número foi para 2500 cadastros”, enfatiza o setor.

Confira aqui a lista dos municípios contemplados com a capacitação do CAR.

Ações sobre o CAR

De acordo com a Diflo, é realizado um trabalho de mobilização pela Semace em parceria com técnicos dos municípios, representantes de sindicatos de trabalhadores e entidades estaduais. Durante essa etapa são apresentados os conteúdos programáticos focados na nova lei do Código Florestal nº 12.651 de 2012 e definidos o perfil do participante, bem como a co-responsabilidade no processo de divulgação e realização do CAR para os proprietários/posseiros com área de até quatro módulos. Neste momento, em parceria com os municípios, a Autarquia participa também de entrevistas em rádios locais.

Ainda segundo a Diretoria, na etapa seguinte é que ocorre a realização dos cursos. “Ressalte-se ainda, que a Semace além da programação com os municípios pretende atender as demandas dos comitês de bacias e sindicatos de trabalhadores”, informa a técnica da Diflo, Tereza Farias, em referência à solicitação e realização do curso em novembro deste ano para atender o Comitê de Bacias do Banabuiú.

A Semace também tem participado de reunião com a equipe do Departamento Nacional de Obras Contras as Secas (DNOCS) sobre o cadastro ambiental em perímetro irrigados no estado do Ceará.

CAR

O CAR é um registro eletrônico obrigatório para todos os imóveis rurais, que tem como objetivo integrar as informações ambientais das propriedades e posses rurais, compondo a base de dados para controle, monitoramento e planejamento ambiental e econômico. O cadastro pode ser feito através do site: www.car.gov.br.

A Semace, assim como seus demais parceiros, auxiliam os empreendedores rurais e agricultores a se inscreverem no Sicar. A Diflo da Semace é a responsável em dar essa ajuda aos cidadãos. As dúvidas podem ser dirimidas através dos telefones (85) 3264-8117 ou (85) 3101-5546. A Semace inicia o atendimento nos escritórios regionais localizados no Crato e Sobral, além da sede em Fortaleza, na Diretoria Florestal.

No site da Autarquia, o cidadão pode saber mais ou até mesmo acompanhar informações atualizadas através da aba de “Serviço”, localizada no lado direito, no item intitulado “Cadastro Ambiental Rural (CAR)”.

Coema se reunirá nesta quinta-feira (08) para aprovar resoluções e pareceres ambientais

Nesta quinta-feira (08), o Conselho Estadual do Meio Ambiente (Coema) realizará a 236ª Reunião Ordinária que irá discutir e votar propostas referentes à resoluções ambientais além de pareceres técnicos de projetos de licenciamento de empreendimentos no Estado. O evento acontecerá no auditório Régia Nântua, na sede da Superintendência Estadual do Meio Ambiente (Semace), a partir das 14h.

Na pauta, o colegiado irá debater proposta da Alteração do Anexo III da Resolução Coema Nº 10 de 2015, referente à retirada do fator distância da fórmula de cobrança da taxa de análise de estudos ambientais apresentados na Semace, e a proposta de Resolução Coema que aponta a disciplina os procedimentos de concessão de licença ambiental para empreendimentos e atividades agropecuárias no Estado do Ceará.

Também serão discutidos e votados os pareceres técnicos das centrais geradoras eólicas CGE Pedra Cheirosa I e CGE Pedra Cheirosa II CPFL Renováveis, no município de Itarema. As centrais são de interesse da Pedra Cheirosa I Energia S/A e Pedra Cheirosa II Energia S/A da CPFL Renováveis.

Coema
O cidadão pode acompanhar o calendário de reuniões do Coema através do site da Semace, na aba do lado esquerdo, segundo item, conforme o link. Mais informações: (85) 3101-5525, secretaria do Conselho.

Coluna EcoNews no Fórum IEP de Sustentabilidade!

O blog Coluna EcoNews confirma presença no Fórum IEP de Sustentabilidade!

Faça sua inscrição para o Maior Evento de Sustentabilidade do Norte e Nordeste. É GRATUITA!

Acesse: http://forumiepdesustentabilidade.com/index.php/inscricoes/

Prefeitura de Fortaleza facilita acesso às informações de monitoramento ambiental

A ação faz parte de uma série de iniciativas promovidas pela Prefeitura de Fortaleza relacionadas à inclusão e à transparência
Com o aplicativo do Google Maps diretamente implantado no site da Seuma, é só o internauta ir ao link Infocidade e escolher qual mapa quer visualizar
Com o aplicativo do Google Maps diretamente implantado no site da Seuma, é só o internauta ir ao link Infocidade e escolher qual mapa quer visualizar
O cidadão já pode visualizar de qualquer celular ou computador com acesso à internet os mapas que a Secretaria Municipal de Urbanismo e Meio Ambiente (Seuma) elabora para georreferenciar as denúncias de poluição e as autorizações emitidas para estabelecimentos comerciais que queiram utilizar placas publicitárias, equipamentos sonoros ou até mesmo fornos de pizza e churrascaria, além dos plantios realizados pelo Plano de Arborização de Fortaleza.

Com o aplicativo do Google Maps diretamente implantado no site do órgão (www.fortaleza.ce.gov.br/seuma), é só o internauta ir ao link Infocidade e escolher qual mapa quer visualizar. Antes dessa solução, era necessário ter o Google Earth instalado no equipamento para conseguir abrir os mapas. A ação faz parte de uma série de iniciativas promovidas pela Prefeitura de Fortaleza relacionadas à inclusão e à transparência.

Se, por exemplo, há uma churrascaria próximo a sua casa e você quer saber se ela está autorizada a usar forno a lenha, é só ir no site da Seuma. No item “Infocidade” do menu principal, há o link para o mapa (“Mapeamento de Emissões Atmosféricas”), onde estão indicadas todas as fontes de emissões de gases para a atmosfera monitoradas pelo órgão.

Serviço
Mapas

- Mapeamento das Licenças de Propaganda e Publicidade: http://bit.ly/1KOh3ci
- Mapeamento das Autorizações Sonoras: http://bit.ly/1FFihdL
- Monitoramento de Emissões Atmosféricas: http://bit.ly/1LiScDS
- Plano de Arborização: http://bit.ly/1VozbPR
- Monitoramento de fontes de Poluição Sonora: http://bit.ly/1YLZyUh
Estarão disponíveis em breve:
- Mapeamento das Licenças Ambientais
- Mapeamento dos Planos de Gerenciamento de Resíduos Sólidos (PGRS)
- Mapeamento dos Planos de Gerenciamento de Resíduos Sólidos dos Serviços de Saúde (PGRSS)

Fonte e foto: site Seuma

"Mundo em transição" será tema discutido no VI Congresso de Jornalismo Ambiental em SP

Você já fez sua inscrição no VI Congresso de Jornalismo Ambiental? As inscrições são GRATUITAS!!! E o evento é imperdível! Na oportunidade, renomados profissionais vão debater a temática "Mundo em transição". 





segunda-feira, 5 de outubro de 2015

O maior evento de Sustentabilidade do Norte e Nordeste

O IEP – Instituto de Educação Portal realiza entre os dias 15 e 16 de Outubro de 2015 a 8ª edição do Fórum IEP de Sustentabilidade com o tema Educação para o Desenvolvimento Sustentável e estima receber mais de 3 mil pessoas. O Fórum arrecada cerca de 3 toneladas de alimentos para orfanatos e instituições carentes, além de contar em sua programação com apresentações artísticas, culturais e cases, mostra de economia criativa, além de oficinas práticas e palestras ministradas por facilitadores renomados em suas respectivas áreas.

Seu objetivo é despertar a sociedade em seus diversos setores – Governo, Empresas Privadas, IES, Terceiro Setor e Sociedade Civil – para juntos alcançarem os ODM – Objetivos de Desenvolvimento do Milênio, um pacto firmado entre a ONU e mais de 191 países visando mudar o mundo através dos 8 Jeitos de Mudar o Mundo, programa implantado no Brasil com o Movimento Nós Podemos.

Para tal realização, o Instituto de Educação Portal recebe apoio da Secretaria Geral da República, Governo do Estado do Ceará, PNUD Brasil, Empresas Privadas e Instituições sem fins lucrativos.

INFORMAÇÕES:
www.forumiepdesustentabilidade.com |  www.facebook.com/forumIEP

Tatiana Muniz – fórum@portaliep.com  +55 85 3348 7540 | +55 85 99146 3287

José Pires – contato@portaliep.com +55 85 3348 7540 | +55 85 99146 3287
____________________________________________________________________________________

Sobre o IEP – Instituto de Educação Portal
O IEP é uma OSCIP (Organização da Sociedade Civil de Interesse Público) sem fins lucrativos fundada há mais de 8 anos, atuante em Fortaleza e região metropolitana com o objetivo de fomentar a inclusão econômica, social e cultural de jovens em situação de vulnerabilidade social através de programas de capacitação profissional e inserção no mercado de trabalho. Seu grande diferencial é a Tecnologia Social – Espaços Mundos, uma metodologia que engloba aspectos emocionais e espirituais através da arte e cultura, objetivando o desenvolvimento de competências humanas essenciais ao processo evolutivo do ser humano. Em função dos excelentes resultados e do trabalho sério e transparente, o IEP já foi reconhecido por instituições como ONU e Fundação Banco do Brasil.

Universidade Federal do Cariri lança a revista Ciência e Sustentabilidade

A Universidade Federal do Cariri (UFCA) lança, na próxima terça-feira, 6, a revista Ciência e Sustentabilidade, do Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento Regional Sustentável (PRODER). O evento acontece a partir das 8h30min, no auditório do campus de Juazeiro do Norte, durante as atividades do I Seminário Interdisciplinar do Observatório de Políticas Públicas para Territórios (OPPTE).

A publicação científica, divulgada no ano em que o PRODER completa cinco anos, apresentará pesquisas interdisciplinares, relacionadas à temática do desenvolvimento regional sustentável. No primeiro número, serão sete artigos de pesquisadores convidados. A partir das próximas edições, de acordo com o pesquisador Diego Coelho do Nascimento, da comissão organizadora do lançamento, haverá chamada para a seleção dos textos.

Entre os artigos, a UFCA se faz presente nos textos da reitora Suely Salgueiro Chacon, com coautores, e da coordenadora do Proder, professora Verônica do Nascimento, também com coautores. A reitora, uma das fundadoras do Proder, foi pioneira em pesquisas relacionadas ao desenvolvimento regional sustentável no semiárido. Há ainda textos de pesquisadores da Universidade Regional do Cariri (URCA), Universidade Federal do Cariri (UFC), Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (Unesp) e Universidade de São Paulo (USP).

A periodicidade da revista será semestral, com chamada de artigos contínua. Para o pesquisador Diego Coelho, que também é ex-aluno do mestrado do PRODER e doutorando da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), a publicação terá uma importância fundamental na divulgação das pesquisas relacionadas a todas as dimensões da sustentabilidade: ambiental, econômica, social, política e cultural.


Outras informações


Coordenadoria de Jornalismo Institucional

comunicacao@ufca.edu.br

(88) 3572 7236

sexta-feira, 2 de outubro de 2015

Beach Park envolve voluntários e colaboradores em ação de Limpeza do Litoral

Sempre cuidando dos espaços em seu entorno e desenvolvendo projetos de responsabilidade ambiental, o Beach Park promove, no próximo dia 09 de outubro (sexta-feira), a partir das 7 horas, a ação Limpeza do Litoral. Contando com voluntários do Movimento Limpa Brasil e colaboradores da empresa, será recolhido lixo numa extensão de 4 km de praia, além de ser realizada a limpeza do fundo do Rio Pacoti, trabalho executado por uma equipe de 10 mergulhadores.

Desenvolvida anualmente em sintonia com o Dia Mundial da Limpeza do Litoral, que acontece em 140 países, a ação recolheu, na última edição, cerca de 8 toneladas de lixo. O mutirão conta com o apoio da Associação Porto das Dunas, Movimento Limpa Brasil, e da Secretaria de Meio Ambiente do Estado do Ceará (Sema).

O Beach Park oferece toda a estrutura necessária para que o trabalho seja realizado, fornecendo um kit para todos os voluntários, com camisa, boné, água e frutas. Nos 4 km do trajeto, há vários pontos de apoio, disponibilizando hidratação e recebendo os resíduos recolhidos. Antes de iniciarem a caminhada, todos os voluntários e colaboradores vão receber as boas-vindas do diretor geral do Beach Park, Murilo Pascoal, e participar de uma aula de ginástica laboral. Haverá ainda programação especial no palco “Ao Vivo Beach Park”.

Patrocinam a ação Limpeza do Litoral as empresas M. Dias Branco, Jandaia, Cagece, Mundial, Talimpo, MCB frutas naturais, Naturale, Recicladora Aquiraz. A ação conta ainda com o apoio da Prefeitura Municipal de Aquiraz, Secretaria de Meio Ambiente do estado do Ceará, Mar do Ceará, Movimento Limpa Brasil, Associação Porto das Dunas e Rádio Beach Park.

Além de desenvolver atividades envolvendo a comunidade, o Beach Park apoia mensalmente a ação praia limpa, que é realizada pela Associação Porto das Dunas, entre outros projetos, sempre garantindo que fauna e flora do Porto das Dunas sejam preservadas e cuidadas.




Beach Park

Com quase 30 anos, a serem completados em dezembro de 2015, o Beach Park é motivo de orgulho para qualquer cearense e objeto de desejo para os turistas que visitam o Estado. Em cenário paradisíaco e somente a 20 km de Fortaleza, o Beach Park ocupa hoje 180 mil m², reunindo parque aquático, três resorts, um hotel, além de restaurante de praia, com acesso livre.