Total de visualizações de página

quinta-feira, 30 de abril de 2015

Vai dar praia no feriadão! 18 trechos aptos para o banho em Fortaleza

O número de pontos próprios para banho nas praias de Fortaleza subiu nesta semana em relação ao boletim de balneabilidade anterior, emitido pela Superintendência Estadual do Meio Ambiente (Semace). De acordo com o documento, divulgado hoje (30), 18 trechos estão aptos à recreação de contato primário com a água. Ao todo, a autarquia monitora 31 locais da orla da capital cearense.

Para saber se um local está ou não apropriado para o banho, os frequentadores das praias de Fortaleza podem ficar atentos às placas indicativas instaladas pela Semace. Elas ficam posicionadas nos calçadões da orla e contam com um letreiro informativo dizendo se aquele trecho encontra-se próprio ou impróprio.

A Gerência de Análise e Monitoramento da Semace segue os parâmetros indicados pela Resolução 274 do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama). A legislação indica que o número de coliformes termotolerantes presentes em cada 100mL de água não pode passar de 1.000 em mais uma semana. São levadas em consideração as últimas cinco.

Veja a lista completa dos trechos monitorados em Fortaleza:

SETOR LESTE
Posto 1 – Entre o Posto dos Bombeiros 08 e a foz do Rio Cocó
Posto 2 – Entre os postos 7 e 8 dos Bombeiros
Posto 3 – Entre os postos 6 e 7 dos Bombeiros
Posto 4 – Entre os Posto dos Bombeiros 6 até a Praça 31 de Março
Posto 5 – Entre a Praça 31 de Março até Posto dos Bombeiros 4
Posto 6 – Entre os postos 3 e 4 dos Bombeiros
Posto 7 – Entre os postos 2 e 3 dos Bombeiros
Posto 8 – Entre os postos 1 e 2 dos Bombeiros
Posto 9 – Entre a rua Ismael Pordeus até Posto dos Bombeiros 1
Posto 10– Entre o Farol até a Rua Ismael Pordeus
Posto 11 – Farol

SETOR CENTRO
Posto 12 – Entre a Praia dos Botes e o Farol
Posto 13 – Entre o Monumento do Jangadeiro até a Praia dos Botes
Posto 14– Entre a foz do Riacho Maceió e o Monumento dos Jangadeiros
Posto 15 – Entre a Volta da Jurema até foz do Riacho Maceió
Posto 16 – Entre Espigão da Desembargador Moreira até a Volta da Jurema
Posto 17 – Entre a Rua José Vilar e o Espigão da Av. Desembargador Moreira
Posto 18 – Entre Espigão da Rui Barbosa até a Rua José Vilar e o Espigão
Posto 19 – Entre os Espigões da rua João Cordeiro e Av. Rui Barbosa
Posto 20 – Entre o Aquário até o Espigão da Rua João Cordeiro
Posto 21 – Entre o Inace (Ind. Naval do Ceará) até o Aquário

SETOR OESTE
Posto 22 – Entre a Rua Padre Mororó até a Av. Alberto Nepomuceno
Posto 23 – Entre a Av. Philomeno Gomes até a Rua Padre Mororó
Posto 24– Entre a rua Jacinto Matos e a Av. Philomeno Gomes
Posto 25 – Entre a Av. Pasteur até a Rua Jacinto Matos
Posto 26 – Entre a Rua Francisco Calaça até a Av. Pasteur
Posto 27 – Entre a Rua Seis Companheiros até a Rua Francisco Calaça
Posto 28 – Entre a Rua Lagoa do Abaeté até a Rua Seis Companheiros
Posto 29– Entre a Rua das Goiabeiras até a Rua lagoa do Abaeté
Posto 30– Entre a foz do Rio Ceará até a Rua das Goiabeiras
Posto 31- Barra do Ceará

*Verde: próprio
*Vermelho: impróprio

Fonte: Ascom da Semace


quarta-feira, 29 de abril de 2015

Marca Pardal mantém responsabilidade sócio-ambiental

No intuito de manter a preservação do meio ambiente, a Pardal, indústria de picolés e sorvetes do Ceará utiliza palitos extraídos de árvores de reflorestamento com manejo sustentável.

Um plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos foi adotado pela indústria, onde a maior parte do lixo criado pela empresa é reciclado ou reaproveitado. Resíduos como papelão, plástico, vidro, papel e frutas, são destinados à reciclagem.

O parque industrial possui uma Estação de Tratamento de Efluentes (ETE), onde toda água utilizada pela Pardal é tratada antes de ser devolvida para a natureza.

NOVA ESTRATÉGIA DE MARCA

Desde fevereiro deste ano, a Pardal apresenta uma comunicação mais atual e interativa, resultado de uma nova estratégia de marca desenvolvida com a consultoria de Branding e Design Abracadabra. A premiada agência cearense propõe o reposicionamento da marca, a partir da segmentação dos produtos, da criação de uma nova identidade visual e de novas embalagens.

De 1990 para 2015, a Pardal se tornou a maior indústria do segmento no Ceará. Estabelecida no Eusébio (CE), o seu parque industrial produz diariamente 40 mil unidades de picolés e oito mil litros de sorvete, atendendo hoje não só o mercado cearense, mas o do Rio Grande do Norte e da Paraíba.

Foi em Fortaleza (CE), então, que a Pardal se consolidou como uma das grandes marcas em seu segmento, tendo como diferenciais o formato cônico dos picolés – criado e patenteado pela mesma, a qualidade dos produtos com sabores naturais extraídos de frutas da região, além do seu preço competitivo.

A Pardal é hoje referência em estrutura para indústrias de sorvete, de acordo com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA).

Mais informações:

Pardal
Site - www.pardalsorvetes.com.br/
Facebook - www.facebook.com/pardalsorvetes
Instagram - @pardalsorvetes

Abracadabra
Site - www.abracadabradesign.com.br/
Facebook - www.facebook.com/abracadabradesign
Instagram - @abracadabradesign

*Com informações da assessora de comunicação Helena Félix (85 9993.4920/pontualcomunicacao@gmail.com).

Mais de 100 equipamentos sonoros descartados

Em cumprimento das ações a favor do meio ambiente, mais de 100 equipamentos sonoros foram descartados e enviados para a reciclagem nesta quarta-feira (29/04). As estruturas foram apreendidas durante as fiscalizações realizadas pela Secretaria Municipal de Urbanismo e Meio Ambiente (Seuma).

Que venham mais ações como essa em prol do meio ambiente! 

Foto: Ascom da Seuma

terça-feira, 28 de abril de 2015

Equipamentos sonoros apreendidos são descartados e enviados para reciclagem

Equipamentos sonoros apreendidos devido ao uso irregular serão descartados e encaminhados para a reciclagem nesta quarta-feira (29/04), a partir das 10 horas, no estacionamento da Secretaria Municipal de Urbanismo e Meio Ambiente (Seuma). Serão descartadas 100 estruturas que não foram resgatadas no prazo estabelecido em lei. Muitas se encontram deterioradas por conta da ação do tempo. Outros nove materiais serão entregues a instituições que se adequaram às regras de doação.

Este é o primeiro descarte de equipamentos sonoros promovidos pela Seuma, neste ano, fazendo parte das ações em alusão ao Dia Mundial de Conscientização sobre Ruído, que ocorre anualmente na última quarta-feira de abril. Ao todo, em 2014, 516 materiais foram descartados e outros 114 doados a entidades. Em 2013, mais de 90 equipamentos foram descartados. Os materiais destruídos são encaminhados para empresa especializada em coleta de resíduos eletrônicos.

Estes componentes são separados e destinados para o setor industrial a fim de serem reutilizados. A madeira e demais materiais seguem para a Rede de Catadores do Ceará, incrementando uma arrecadação fomentada pela Prefeitura de Fortaleza que, somente em grandes eventos realizados no ano passado, como Copa do Mundo e Limpa Brasil, coletou 87 toneladas de resíduos.

As equipes de fiscalização da Seuma, em parceria com demais órgãos, como o Batalhão de Polícia Militar Ambiental (BPMA), apreenderam, neste ano, 160 aparelhos sonoros. Em 2013, durante as vistorias realizadas diariamente, foram feitas 846 apreensões de equipamentos.


Serviço
Descarte de equipamentos sonoros
Dia: 29/04/2015 (quarta-feira)
Horário: 10 horas
Local: estacionamento da Secretaria Municipal de Urbanismo e Meio Ambiente (Seuma) - Avenida Dep. Paulino Rocha, 1343 - Cajazeiras

Fonte: Ascom da Seuma

segunda-feira, 27 de abril de 2015

Educação ambiental no Terminal do Papicu

A Prefeitura de Fortaleza, por meio da Secretaria Municipal de Urbanismo e Meio Ambiente (Seuma) e da Empresa de Transporte Urbano de Fortaleza (Etufor), capacitará servidores e permissionários do Terminal do Papicu, nesta terça-feira (28/04), às 15 horas, no auditório da Etufor. A iniciativa faz parte do Programa de Educação Ambiental para Mobilidade Urbana e será promovida entre todos aqueles que atuam nos Terminas de Ônibus da Cidade.

As duas instituições instalaram um posto de coleta de recicláveis no Terminal do Papicu. O objetivo é ampliar o recolhimento deste tipo de material, posteriormente, enviado aos três Centros de Triagem mantidos pela Prefeitura (Bonsucesso, Jangurussu e Vila União). Após separação, os resíduos são encaminhados para a Rede de Catadores.

A ampliação desta política pública, que faz parte do Programa Reciclando Atitudes e dentro da qual a gestão municipal anunciou neste mês que lixo reutilizável poderá ser trocado por créditos no Bilhete Único, favorecerá os catadores e protegerá o meio ambiente, evitando que novos materiais sejam industrializados, reduzindo o consumo de recursos naturais.

O Reciclando Atitudes é o Programa de Educação Ambiental da Prefeitura de Fortaleza que visa à promoção dos processos sustentável de reciclagem na Capital, com foco ambiental, social, econômico e energético e com a inclusão do catador.


Serviço
Treinamento do Programa de Educação Ambiental para Mobilidade Urbana – servidores e permissionários do Terminal do Papicu
Dia: 28/04/2015 (quarta-feira)
Horário: 15 horas
Local: Empresa de Transporte Urbano de Fortaleza (Etufor) - Avenida dos Expedicionários, 1677, Vila União

Fonte: Ascom da Seuma

Prêmio Ambientalista Joaquim Feitosa

A Secretaria Estadual do Meio Ambiente e a Assembléia Legislativa do Ceará realizam nesta terça-feira (28), às 15h, solenidade de entrega do Prêmio Ambientalista Joaquim Feitosa. Ele é destinado a homenagear pessoa física ou jurídica que atua na preservação e conservação do Bioma e no desempenho de suas ações tenham contribuído de forma relevante para o desenvolvimento sustentável da Caatinga. A cada ano, por lei estadual, o comitê homenageia, alternadamente, uma pessoa física e no seguinte, uma instituição. O agraciado será o o professor Antônio Renato de Lima Aragão, assessor da Fiec e ex-superintendente da Semace.

A escolha foi feita pelo Comitê Estadual da Reserva da Biosfera da Caatinga (RBCA). Entre os candidatos ao prêmio estavam Antônio Rocha Magalhães, Roberto de Proença Macedo, Renato Aragão e Francisco Flávio Torres de Araújo. O prêmio Ambientalista Joaquim Feitosa alcança este ano sua décima edição e será entregue no Dia Estadual da Caatinga.

O secretário do Meio Ambiente, Artur Bruno, elogiou a escolha do Comitê, lembrando que Renato Aragão foi um batalhador pela criação do Parque Botânico do Ceará e de várias Unidades de Conservação do Estado, já que há décadas ele contribui com a política ambiental desenvolvida no estado, tendo sido o primeiro superintendente da Semace. "O professor Renato teve a vida dedicada à conservação dos recursos naturais do estado do Ceará, com ênfase no Bioma Caatinga, e ainda, ao ensino e pesquisa em Ecologia. É notório o quanto sua vida pessoal se liga a trajetória ambiental do estado do Ceará de maneira umbilical. Uma pessoa exemplar que, com espírito de responsabilidade e solidariedade para com os seus contemporâneos e com as gerações futuras, compreendeu a necessidade de se trabalhar pelo bem comum, desde a década de 1960, quando ainda eram poucos os que militavam nessa área". Essa foi a justificativa da professora Nájila Rejanne Alencar Julião Cabral, autora da indicação do homenageado.

Ganhadores do Prêmio Ambientalista Joaquim Feitosa

ANO GANHADOR
2005 Patativa do Assaré Pessoa Física
2006 Associação Caatinga Pessoa Jurídica
2007 João Ambrósio Filho Pessoa Física
2008 Federação das Indústrias do Estado do Ceará - FIEC Pessoa Jurídica
2009 Luiz Francisco de Souza Pessoa Física
2010 Associação de Desenvolvimento Educacional e Cultural de Tauá: Mulheres da Caatinga Pessoa Jurídica
2011 Afrânio Gomes Fernandes Pessoa Física
2012 The Nature Conservancy Pessoa Jurídica
2013 Prof. Mauro Ferreira Lima Pessoa Física
2014 Fundação Araripe Pessoa Jurídica


O homenageado

Professor aposentado da Universidade Federal do Ceará (Uece), o geógrafo foi o primeiro Superintendente da Semace (Superintendência Estadual do Meio Ambiente do Ceará) e também responsável pela elaboração da proposta de criação da Política Estadual do Meio Ambiente, em 1987. Também idealizou a criação de diversas áreas protegidas no estado do Ceará, a exemplo da Estação Ecológica de Aiuaba, no sertão dos Inhamuns, cuja proposta, endereçada ao Prof. Paulo Nogueira-Neto, então Secretário da SEMA, data do ano de 1975. A Estação Ecológica de Aiuaba foi criada por meio do Decreto no 81.218, de 16/01/1978. É do Prof. Antônio Renato Lima Aragão a ideia de criação das seguintes áreas protegidas:

- APA da Serra de Baturité, criada por meio do Decreto no 20.956, de 18/09/1990;
- Parque Botânico do Ceará, no município de Caucaia, por meio do Decreto no 24.216, de 09/09/1996.
- Parque Estadual Marinho Pedra da Risca do Meio, no município de Fortaleza, por meio da Lei no 12.717, de 05/09/1997;
- Área de Proteção Ambiental do Lagamar do Cauípe, no município de Caucaia, por meio do Decreto no 24.957, de 05/06/1998;
- Área de Proteção Ambiental do Pecém, no município de São Gonçalo do Amarante, por meio do Decreto no 24.957, de 05/06/1998.
- Área de Proteção Ambiental da Serra de Aratanha, nos municípios de Maranguape, Pacatuba e Gauiúba, por meio do Decreto no 24.959, de 05/06/1998;
- Área de Proteção Ambiental da Bica do Ipu, no município de Ipu, por meio do Decreto no23.354, de 26/01/1999;
- Área de Proteção Ambiental da Lagoa do Uruaú, no município de Beberibe, por meio do Decreto no 23.355, de 26/01/1999;
- Área de Proteção Ambiental do Rio Ceará, nos municípios de Caucaia e Fortaleza, por meio do Decreto no 25.413, de 29/03/1999;
- Área de Proteção Ambiental do Estuário do Rio Mundaú, nos municípios de Itapipoca e Trairi, por meio do Decreto no 25.414, de 29/03/1999;
- Área de Proteção Ambiental do Estuário do Rio Curu, nos municípios de Paracuru e Paraipaba, por meio do Decreto no 25.416, de 29/03/1999;
- Área de Proteção Ambiental das Dunas da Lagoinha, no município de Paraipaba, por meio do Decreto no 25.417, de 29/03/1999;
- Área de Proteção Ambiental das Dunas de Paracuru, no município de Paracuru, por meio do Decreto no 25.418, de 29/03/1999;
- Estação Ecológica do Pecém, nos municípios de Caucaia e São Gonçalo do Amarante, por meio do Decreto no 25.708, de 17/12/1999. Mencionado decreto estadual fala da desapropriação. A ESEC do Pecém não possui decreto de criação;
- Corredor Ecológico do Rio Pacoti, nos municípios de Aquiraz, Itaitinga, Pacatuba, Horizonte, Pacujus, Acarape e Redenção, por meio do Decreto no 25.777, de 15/02/2000.
- Área de Proteção Ambiental do Rio Pacoti, nos municípios de Fortaleza, Eusébio e Aquiraz, por meio do Decreto no 25.778, de 15/02/2000.

Mais

O Prêmio Ambientalista Joaquim Feitosa foi instituído pelo Comitê Estadual da Reserva da Biosfera da Caatinga por meio do Decreto n° 27.781, de 26 de abril de 2005.

A medalha instituída pelo Comitê Estadual da Reserva da Biosfera da Caatinga é uma forma de homenagear pessoas físicas ou jurídicas que, no desempenho de suas ações, tenham contribuído de forma relevante para o desenvolvimento sustentável do bioma da Caatinga no Estado do Ceará.

A peça e cunhada em bronze e apresenta, invariavelmente, forma circular medindo 05 (cinco) cm de diâmetro, tendo ao centro de uma das faces a esfinge de seu patrono circulada pelas expressões “MEDALHA AMBIENTALISTA JOAQUIM FEITOSA, RESERVA DA BIOSFERA DA CAATINGA – COMITÊ ESTADUAL”, enquanto no reverso, figura a Carnaúba, árvore símbolo do Estado do Ceará.


Sobre Joaquim de Castro Feitosa

O agrônomo, Joaquim de Castro Feitosa, conhecido como dr. Feitosinha, nasceu em Tauá, no dia 30 de novembro de 1915, faleceu no dia 05 de dezembro de 2003. Portanto, este é o ano do seu centenário. Diplomado pela Universidade Federal do Ceará (UFC) sempre demonstrou preocupação com temática ambiental. Fundou a Sociedade Cearense de Defesa da Cultura e do Meio Ambiente, em 1974 e instituiu a Fundação Bernardo Feitosa.

Desenvolveu trabalhos e coordenou ações nos quais a conservação do meio ambiente era a pauta prioritária. Costumava promover reuniões com os agricultores sobre agroecologia, e foi o responsável pela introdução da raça caprina Boer na região dos Inhamuns.

Fonte: site Governo do CE

sexta-feira, 24 de abril de 2015

Sindsorvetes entrega Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos a 23 empresas

O Sindsorvetes, um dos 39 sindicatos patronais vinculados à Federação das Indústrias do Estado do Ceará (FIEC), realizará na próxima terça-feira, dia 28 de abril, na cobertura da sede da FIEC, em Fortaleza, a solenidade de entrega e assinatura  de certificados a 19 empresas associadas que passarão a ter um Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos (PGRS). Na oportunidade,  o consultor Sandro Rocha vai palestrar sobre uma visão geral da política nacional de gerenciamento de resíduos sólidos e o papel das organizações como agente de mudança do processo de geração de resíduos, controle e destino. O palestrante também vai realizar uma capacitação sobre o processo de monitoramento dos resíduos sólidos para consolidar os princípios de gestão.

Mais 23 empresas do Sindicato serão beneficiadas com o PGRS. Outras 8 serão beneficiadas em breve. O Plano vai fazer com que as empresas estejam regularizadas com os órgãos ambientais quando receberem a fiscalização. A consultoria foi realizada por meio do Programa de Apoio à Competitividade das Micros e Pequenas Empresas Industriais (Procompi), em parceria com a Confederação Nacional da Indústria, Sebrae, Instituto Euvaldo Lodi - IEL/CE e o Sindsorvetes.

Fonte: Ascom da Fiec


Governo quer estabelecer norma nacional para água de reúso

A ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, disse ontem (23/04) que o governo federal busca uma forma de regulamentar a utilização da água de reúso. Segundo a ministra, a normatização já está sendo debatida nos estados de São Paulo e do Rio de Janeiro.

“É uma discussão no Brasil. Nós vamos pegar a experiência internacional e coordenar isso. Qual é o melhor caminho, se precisa de lei, decreto ou norma. Hoje, não há legislação definida”, ressaltou Izabella sobre a necessidade de uma norma nacional sobre o tema.

De acordo com a ministra, empresários têm apresentado demandas para amenizar as restrições legais que impedem o reúso de água nas indústrias. “Temos que ser mais eficientes na gestão de água na questão de irrigação e industrial. Resolver a burocracia em relação ao reúso de água industrial. Se há entraves legais, é importante que a gente avance o debate na sociedade brasileira e modernize isso”, acrescentou, após a abertura do Seminário Internacional sobre Gestão da Água em Situações de Escassez.

Sobre a atual crise hídrica que atinge a Região Sudeste, Izabella disse que vai esperar o fim das chuvas para avaliar a situação. “Temos um fenômeno meteorológico acontecendo. É o quarto ano com menos chuvas do que o esperado”, ressaltou. A ministra lembrou que, no ano passado, São Paulo teve o pior período de chuvas da história. Em 2014, choveu 40% menos do que em 1953, considerado o ano com a pior estiagem até então.

A ministra disse, no entanto, que a expectativa é que o regime de chuvas se normalize em breve. “Ninguém espera que isso permaneça por muito tempo”, enfatizou. Izabella disse ainda que o Executivo Federal está apoiando os governos estaduais com as obras para aumentar a capacidade de abastecimento. “Continuamos negociando com os governos estaduais do Sudeste as propostas de investimento que eles apresentam.”

Além disso, o governo está elaborando um plano para assegurar o abastecimento de água mesmo em situações climáticas extremas. “Estamos fazendo o Plano Nacional de Segurança Hídrica. Começamos no ano passado, com a Agência Nacional de Águas e o Ministério da Integração Nacional”, informou Izabella.

Por Daniel Mello - da Agência Brasil

Coema aprova emissão de licenças para aterro sanitário e complexo eólico no CE

O Conselho Estadual do Meio Ambiente (Coema) se reuniu nesta quinta-feira (23), na sede da Superintendência Estadual do Meio Ambiente (Semace), em virtude da realização da 233ª Reunião Ordinária do colegiado. Na ocasião, os conselheiros aprovaram os pareceres técnicos referentes ao licenciamento de um aterro sanitário consorciado e um complexo eólico. A proposta de criação de uma câmara técnica temporária também foi aceita.

Por unanimidade, o conselho foi de acordo com a emissão da licença prévia para o Aterro Sanitário Consorciado de Resíduos Sólidos Urbanos de Camocim, de interesse do Governo do Ceará, através da Secretaria das Cidades. Além do município que receberá o equipamento, estão inseridos no projeto Barroquinha, Chaval, Granja, Martinópole e Uruoca.

O complexo eólico de interesse da empresa Paraipaba Geração de Energia LTDA foi aprovado com 17 votos a favor e três abstenções. O empreendimento receberá da Semace a licença de instalação – que dá direito ao início das obras. O complexo será composto por três centrais geradoras eólicas, a serem implantadas na Fazenda Martins, em Paraipaba. A capacidade total instalada de produção de energia será de 70.2 megawatts (MW).

Câmara técnica

A pedido da Federação das Indústrias do Estado do Ceará (FIEC), o conselho acatou a proposta de criação de uma câmara técnica temporária para debater sobre os aspectos ambientais que envolvem o setor de micro e minigeração de energia no Ceará. Além da propositora, outras sete instituições que possuem assento no Coema formarão o grupo. São elas: Semace, Secretaria Estadual do Meio Ambiente (Sema), Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), Federação da Agricultura do Estado do Ceará (FAEC), Associação dos Engenheiros Agrônomos do Ceará (AEAC), Centro Cultural para o Desenvolvimento Sustentável (Germinare) e Associação Brasileira de Engenharia Sanitária Ambiental (ABES).

Fonte: Ascom da Semace

Plano de ação para implementação do CAR no Ceará é debatido na Semace


O Cadastro Ambiental Rural (CAR) foi novamente tema discutido na tarde desta quinta-feira (23) no auditório Régia Nântua da Superintendência Estadual do Meio Ambiente (Semace). Na ocasião, os órgãos envolvidos com a temática debateram sobre estratégias referentes ao Plano de Ação para Implementação do CAR no Estado do Ceará.

O debate também nivelou questões sobre os Sistemas de Meio Ambiente e do Desenvolvimento Agrário com os seguintes objetivos: definição de procedimentos ligados a área de tecnologia para integração dos dados fundiários do Sistema Nacional de Cadastramento Rural (Sicar); realização de ações de divulgação, capacitação e apoio à elaboração do CAR, priorizando proprietários com até quatro módulos rurais; implantação de uma rede de agentes capacitadores.

Na oportunidade, a Diretoria Florestal (Diflo) da Semace, juntamente com o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), Instituto de Desenvolvimento Agrário do Ceará (Idace) e o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar) organizam a elaboração de um curso focando o preenchimento do CAR, dando o destaque para o geoprocessamento com base nas exigências do no novo Código Florestal. De acordo com a Diflo, o curso está previsto para a primeira quinzena de maio, com a presença de representantes de órgãos ligados à temática, no intuito de que estes possam ser multiplicadores.

Ainda durante a reunião, o engenheiro agrônomo e presidente da Federação da Agricultura do Ceará (Feac), Flávio Saboya, fez uma apresentação sobre uma minuta de um projeto piloto para o município de Ibaretama, que visa unir Semace e Idace com relação ao CAR.

O momento contou com a presença do superintendente da Semace, José Ricardo Araújo, além de técnicos da casa. Também estiveram presentes na reunião: Eduardo Barbosa (presidente do Idace), Luiz Guedes Alcoforado (Incra), José Antonio dos Santos Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Estado (Fetraece), José Alcy Holanda Pinheiro (Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Ceará – Ematerce), Genário Azevedo (Secretaria do Meio Ambiente-Sema), Sergio Silva (Senar), João Gomes Assunção (Secretaria de Desenvolvimento Agrário-SDA), Eunice Maia de Andrade (Universidade de Fortaleza-UFC).

CAR

O CAR é um registro eletrônico obrigatório para todos os imóveis rurais, que tem como objetivo integrar as informações ambientais das propriedades e posses rurais, compondo a base de dados para controle, monitoramento e planejamento ambiental e econômico. O cadastro pode ser feito através do site: www.car.gov.br.

A Semace, assim como seus demais parceiros, auxiliam os empreendedores rurais e agricultores a se inscreverem no Sicar. A Diflo da Semace é a responsável em dar essa ajuda aos cidadãos. As dúvidas podem ser dirimidas através dos telefones (85) 3264-8117 ou (85) 3101-5546.

quinta-feira, 23 de abril de 2015

Prefeitura de Fortaleza realiza campanha de conscientização contra o ruído

Em alusão ao Dia Internacional de Conscientização sobre o Ruído (Inad), celebrado dia 29 de abril, a Prefeitura de Fortaleza, por meio da Secretaria Municipal de Urbanismo e Meio Ambiente (Seuma), preparou uma série de atividades relacionadas à sensibilização sobre o ruído e as suas consequências na saúde, qualidade de vida e no meio ambiente.


As ações iniciam nesta sexta-feira (24/04), às 9 horas, no auditório do órgão, com o Fórum da Cidade, abordando os efeitos do ruído de trânsito.  A programação inclui ainda o descarte e doação de equipamentos sonoros apreendidos durante fiscalizações, palestras, exposição da Carta Acústica e peças de teatro educativas.


Dentre os parceiros da Seuma nas ações estão a Autarquia Municipal de Trânsito e Cidadania (AMC), Empresa de Transporte Urbano de Fortaleza (Etufor), Universidade Federal do Ceará (UFC), Universidade de Fortaleza (Unifor), Shopping Benfica, Batalhão de Policiamento de Meio Ambiente (BPMA), Ronda do Quarteirão, Departamento Estadual de Trânsito (Detran-CE), Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE), escolas municipais e particulares.

Saiba Mais

A poluição sonora é a segunda forma de poluição que mais afeta o planeta. Dada a sua repercussão na saúde e no meio ambiente, é considerada um problema de Saúde Pública mundial. Por conviver diariamente com o barulho, a humanidade está acostumada com sua presença e, em muitos casos, não percebe seus efeitos maléficos na qualidade de vida. O resultado disso é que tem crescido a incidência de perdas auditivas causadas pelo ruído, inclusive em crianças e adolescentes. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), cerca de 120 milhões de pessoas no mundo têm a audição afetada pelo ruído. Além da perda auditiva, há que se considerar os efeitos não auditivos da poluição sonora no ambiente.

Programação


Fórum da Cidade

Palestras:

- Análise do processo de planejamento dos transportes como contribuição para mobilidade urbana sustentável – Professor da UFC, Mário Ângelo Nunes de Azevedo Filho

- Impacto das intervenções de transporte no ambiente sonoro da cidade de Fortaleza – coordenador estadual do INAD e coordenador da Carta Acústica de Fortaleza, Francisco Aurélio Chaves Brito

Data e horário: 24/04 (sexta-feira), das 9h às 12h

Local: Auditório da Seuma - Avenida Deputado Paulino Rocha, 1343, Cajazeiras


Descarte de equipamentos apreendidos

Data e horário: 29/04 (quarta-feira), das 10h às 12h

Local: Estacionamento da Seuma - Avenida Deputado Paulino Rocha, 1343, Cajazeiras


Exposição da Carta Acústica

Data e horário: 29/04 (quarta-feira), às 10h

Local: Recepção da Seuma - Avenida Deputado Paulino Rocha, 1343, Cajazeiras


Exposição de desenhos e apresentações teatrais

Data: 27 a 30 de abril

Local: Terminais de ônibus, Seuma e Shopping Benfica


Ação de saúde auditiva

Data e horário: 29/04 (quarta-feira), das 13h às 17h

Local: Posto de Saúde Maria de Lourdes

Rua: Reino Unido, 115 – Jardim das Oliveiras


Fonte: Ascom da Seuma

"ECOdica" - A Borboleta Azul - educação ambiental


O livro A Borboleta Azul, do autor José Maurício Séllos, editora Uni duni, propõe ao leitor uma reflexão sobre uma questão muito em voga neste novo século: a ecologia ligada a preservação do meio ambiente. 
Através de um texto suave e indagativo aliado à imagens que despertam a
consciência ambiental no público infantil, o autor direciona o jovem leitor a um questionamento sobre a sua importante participação no mundo em que vive.

Mais que uma declaração de amor à natureza, o livro procura despertar uma nova direção de pensamento, deixando a cargo do pequeno leitor uma oportunidade de se expressar, fazendo-o participar do livro e incutindo em sua percepção a importância da preservação do meio ambiente.
A história, de caráter didático, leva a uma reflexão dentro do ambiente
escolar, estendendo sua ação para momentos de convivência em família, visando, em primeira instância, educar.

José Maurício Séllos
É administrador de empresas por formação e tem como hooby tocar saxofone e, mais recentemente, escrever poesia e literatura infantil. Publicou A borboleta azul e Os guardiões do verde. É consultor do Instituto Jogue Limpo.

Convite: lançamento de livro sobre direito ambiental

O autor Paulo Henrique Carneiro Fontenele e a editora DIN.CE convidam todos para a sessão de autógrafos e coquetel do lançamento do livro Direito de Construir em Face de Alterações Legislativas do Direito Ambiental: Direito Adquirido x Proteção ao Meio Ambiente, que ocorrerá hoje (23/04l), às 19h30, nos Jardins da Reitoria da Universidade Federal do Ceará. Mais informações: (85) 9985 4652 ou phfontenele@hotmail.com.

quarta-feira, 22 de abril de 2015

Após denúncia, Semace constata disposição irregular de resíduos hospitalares

Nesta terça-feira (21), uma equipe da Diretoria de Fiscalização (Difis) da Superintendência Estadual do Meio Ambiente (Semace) esteve em Lavras de Magabeira para averiguar denúncia de destinação inadequada de resíduos hospitalares. Na ocasião, os fiscais foram até o lixão municipal e constataram que lixo hospitalar está sendo disposto de forma irregular, sendo lançados diretamente no solo, junto aos resíduos domiciliares, comerciais e de poda urbana.

Diante dos fatos observados, a Semace irá autuar o município por lançamento de resíduos sólidos em desacordo com as exigências legais estabelecidas. Os fiscais baseiam-se no Decreto Federal 6.514/08, na Lei de Crimes Ambientais e na Política Nacional de Resíduos Sólidos. A equipe remeterá as conclusões para o Ministério Público com a finalidade que sejam tomadas as devidas medidas penais.

No local, foram observados catadores e crianças sem nenhum tipo de equipamento de proteção individual, em meio ao lixo proveniente do hospital, como seringas, ampolas, materiais perfurocortantes e farmacêuticos.
Os resíduos sólidos do serviço de saúde são perigosos e potenciais fontes de contaminação da saúde humana e ambiental. A forma de destinação constatada estava em desacordo com a legislação vigente e com as determinações do Plano de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos do município.

Disque Natureza

A população pode formalizar as denúncias junto à Semace através do Disque Natureza, que funciona no número 0800-275-2233. O serviço está disponível de segunda a sexta-feira, das 8 às 12h e das 13 às 15 horas. É importante que o denunciante forneça bastante detalhes para colaborar com a fiscalização.

Fonte: Ascom da Semace

terça-feira, 21 de abril de 2015

segunda-feira, 20 de abril de 2015

Implantação de complexo eólico em Ibiapina e Ubajara é debatido em audiências públicas

O Complexo Eólico Bons Ventos da Serra 2 teve seu projeto e estudo ambiental apresentados em audiências públicas realizadas nos dias 16 e 17 de abril, em Ibiapina e Ubajara, respectivamente. O empreendimento está sendo licenciado pela Superintendência Estadual do Meio Ambiente (Semace), que, na ocasião, presidiu os trabalhos através do Núcleo de Impacto Ambiental (Nuiam). A empresa Geradora Eólica Bons Ventos Da Serra 2 S.A., responsável pelo negócio, está pleiteando a concessão da licença de instalação para dar início às obras.

De acordo com o projeto apresentado, a capacidade total instalada para geração de energia do complexo é de 90.3 megawatts (MW). Segundo Maricy Costa, gerente de projetos do grupo Servitec – um dos sócios na empresa, essa produção é capaz de atender a demanda energética de uma cidade com um milhão de habitantes.

O empreendimento será composto por 43 aerogeradores, divididos em cinco centrais geradoras eólicas, sendo duas no território de Ibiapina e três em Ubajara. O custo total do complexo está orçado em 390 milhões de reais, com uma estimativa de 16 meses de duração das obras. Deverão ser gerados 215 empregos diretos na fase de implantação e três vezes mais indiretos.

Segundo o estudo ambiental da obra, apresentado pela analista ambiental da Geoconsult, Valéria Trece, os impactos negativos de uma atividade deste tipo e porte devem se concentrar, em sua maioria, na fase de construção, devido ao tráfego intenso de grande máquinas, parte estrutural, de logística e de intervenções no meio ambiente. Contudo, para minimizar e mitigar esses transtornos, Trece citou uma gama de planos de controle e monitoramento ambiental que devem ser colocados em prática, tanto na fase de implantação quanto de operação do complexo.

Dos 581 hectares que fazem parte do território arrendado pela empresa, apenas 110 devem ser utilizados de maneira efetiva. Estão sob a área de influência direta do empreendimento os sítios Tucuns, Vila Marques, Cachoeira do Boi Morto e Porteiras, no município de Ubajara, e Cacimbas, em Ibiapina. Residem nessas cinco comunidades 531 famílias.

O supervisor do Nuiam da Semace, Wilker Sales, classificou as audiências como válidas para fins de licenciamento ambiental. As reuniões ocorreram nas Câmaras de Vereadores dos municípios e contaram com a presença de populares, representantes das administrações públicas locais, movimentos sociais e do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio).

Vistoria

A equipe multidisciplinar da Semace que está responsável pela análise do estudo ambiental marcou presença nas duas audiências e aproveitou a ocasião para realizar uma inspeção na área do empreendimento. Na oportunidade, foram avaliados os aspectos físicos, bióticos e socioeconômicos que podem ser afetados com a possível implantação do complexo.

Após a conclusão da análise do estudo, de posse do que foi constatado na vistoria e dos questionamentos levantados nas audiências, a equipe emitirá um parecer técnico, que será encaminhado ao Conselho Estadual do Meio Ambiente (Coema) para apreciação e deliberação a cerca da emissão da licença de instalação do empreendimento.

Fonte: Ascom da Semace

sexta-feira, 17 de abril de 2015

Instituto Jogue Limpo em Salvador

Reunião do Instituto Jogue Limpo em Salvador. Na foto, Maurício Sellos, Ruy Tourinho-Secretaria de Meio Ambiente (Sema), Ezio Antunes, Mateus Cunha (Secretaria de Desenvolvimento Urbano do Estado da Bahia-Sedur), Sérgio Tonich (Sedur), Rita Goés (Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos-Inema).

Instituto Jogue Limpo

O Instituo Jogue Limpo é um projeto de nível nacional, um sistema de logística reversa disponibilizado pelos fabricantes, tratando adequadamente das embalagens de óleos lubrificantes usadas através da reciclagem, transformando-as em insumo industrial, evitando a agressão à natureza. O recebimento é feito, sem ônus para os pontos cadastrados, postos de combustíveis e concessionárias de veículos, e as embalagens são destinadas de forma ambientalmente correta para recicladoras licenciadas e aprovadas pelo Instituto Jogue Limpo.

Saiba mais: http://www.joguelimpo.org.br/institucional/index.php

*Fonte e foto:Instituto Jogue Limpo
 

Workshop de Licenciamento Ambiental gratuito e com certificação

A Coordenação do MBA em Gestão Ambiental da Estácio FIC convida todos para o Workshop de Licenciamento Ambiental sob o enfoque dos Serviços Ecossistêmicos e das Cidades Resilientes, que acontecerá neste sábado (25/04), das 8 às 18h, no Auditório Central da UECE (Av. Dr. Silas Munguba, 1.700, Campus do Itaperi). Na oportunidade, a oficina será ministrada pela professora e geógrafa Magda Helena Maia.

O evento é gratuito, com direito a certificado, e os interessados devem enviar os seguintes dados de inscrição para o email vsalasroldan@gmail.com: nome completo, grau de instrução, ocupação e telefone (apenas para ajudar na organização).

Magda Helena Maia


Geógrafa, Mestre em Geografia e PhD em Desenvolvimento e Meio Ambiente pela Universidade Federal do Ceará. Possui especialização em geoprocessamento aplicado a análise ambiental e recursos hídricos, e também MBA em perícia, auditoria e gestão ambiental. Em nível acadêmico, atua como pesquisadora da temática da adaptação e resiliência das cidades com ênfase no semiárido, além de ser professora visitante em disciplinas de Gestão Ambiental e Auditoria. Em nível institucional atuou como Coordenadora de Políticas Ambientais da Secretaria Municipal de Urbanismo e Meio Ambiente (SEUMA) da Prefeitura de Fortaleza onde desenvolveu políticas ambientais junto com sua equipe além de coordenar diversos projetos técnicos voltados para a Sustentabilidade. Atualmente é Sócio-diretora da empresa Geoanalysis, empresa de assessoria em meio ambiente e inteligência geográfica.

Coletiva de Imprensa: Limpeza dos Aguapés do Rio Cocó

E ontem (16/04), a Secretaria do Meio Ambiente (Semace) anunciou aviso de pauta para imprensa: Amanhã (17/04), às 9 horas, o secretário Artur Bruno estará autorizando a limpeza dos aguapés do rio Cocó. O ponto de encontro será na altura da Face de Cristo. Trabalho conjunto com a Cogerh, Semace, Seinf, Seinfra, Defesa Civil, DER e Emlurb.

quinta-feira, 16 de abril de 2015

Movimento Proparque inicia articulações para a Festa da Vida 2015

Entidades, colégios, movimentos, igrejas, organizações governamentais e não-governamentais são convidados pelo Movimento Proparque a participar das reuniões preparatórias da Festa da Vida 2015, a ser realizada no dia 7 de junho. Os encontros para elaborar a programação acontecem às quintas-feiras, das 7h30 às 8h30, no anfiteatro do Parque Rio Branco (a principal entrada pela Avenida Pontes Vieira, próximo à Avenida Visconde do Rio Branco). Realizada desde 1998, a Festa é um momento de reflexão sobre a crise ecológica que ameaça a vida na Terra e também  de celebração por parte de todos os que atuam pela preservação da vida.


“Movimentos grupos e entidades de quaisquer áreas de atuação mostram o que estão fazendo em favor da vida. Fazem isso com dança, música, pintura, faixas, cartazes, teatro de boneco, panfletos, poesia, vídeo, demonstrações, performances, teatro de rua, fanzine, colagens, cinema, desenhos”, explica o jornalista Ademir Costa, integrante do Movimento Proparque, sobre o conceito da Festa. As atividades ocorrem em meio à natureza, debaixo das árvores e no anfiteatro do Parque.
Este ano o tema da festa será “Cuidar é tarefa todos: ‘Vamos precisar de todo mundo’”, inspirado em verso da música Sal da Terra de Beto Guedes.  Ademir esclarece que “podem participar todos os credos, todas as filosofias, todos os segmentos partidários, contanto que não façam proselitismo político nem religioso e se expressem com arte, não somente com discurso oral”.

UNIÃO

A coordenadora do Movimento Proparque, Luísa Vaz, observa que ainda há indiferença por parte de pessoas que reclamam quando, por exemplo, áreas verdes públicas estão em más condições e acham que cabe aos ambientalistas e autoridades preservarem esses espaços. “A causa é coletiva. Quando nos unimos, nós nos fortalecemos e temos mais chance de sermos ouvidos”, diz.

Assim, um evento como a Festa da Vida no Parque Rio Branco é uma oportunidade de promover um sistema horizontal de participação. Nos  encontros de organização às quintas-feiras  todos podem dar dão sugestões  e ajudar a decidir. As sugestões, inscrições e diálogo podem ser feitos também pelo e-mail gritepeloparque@gmail.com. As deliberações, notícias, propostas para o evento serão divulgadas na página Movimento Proparque, no Faceboock, e pelo blog http://movimentoproparque.blogspot.com.

Fonte: Agência da Boa Notícia

Empreendimento sustentável é lançado por Mercurius e Fujita

Com energia solar, reuso de água e certificação de qualidade, o Paço Portugal deve economizar entre 20 e 30%.

As empresas Mercurius e Fujita Engenharia lançaram nesta quinta-feira (16/04) o Paço Portug​al. O empreendimento já está em processo de certificação com Leadership in Energy and Environmental Design (LEED), concedido pelo US Green Building Council (USGBC) para edificações que atestam a adoção de conceitos de sustentabilidade. Ele irá compor: 214 salas, duas lojas, auditório para 100 pessoas, salas de reunião com paredes retráteis, bar café, lounge e heliponto.

“Com a implementação das estratégias indicadas na certificação, o prédio irá gerar uma economia entre 20 a 30% no consumo de água e energia”, explica o diretor da Mercurius Engenharia, Dante Bonorandi. Dentre as ações estão: reaproveitamento de água da chuva e dos ar-condicionados, que será utilizada para abastecer os vasos sanitários; energia solar com a instalação de placas fotovoltaicas em um espaço de 60 m², que serão responsáveis pela produção de 1% do consumo do empreendimento, cerca de 11.000W/mês.

Com conceito inovador voltado para a sustentabilidade, o empreendimento irá implantar um sistema de controle de utilidades que monitora em tempo real os medidores de energia, níveis dos reservatórios e recursos hídricos. Segundo o gestor da obra do Paço Portugal, Sindeaux Filho, “com esse sistema evitamos gastos acima do necessário, pois a luz e a água pode ser desligada pelo computador, automaticamente”, explica. Esse sistema garante a proteção e combate a incêndios com a extração de CO2 em todos os subsolos.

Um dos pontos da LEED é a existência da eficiência energética, que será feita através da boa iluminação das salas, aproveitando ao máximo a luz natural, com vidros de auto-rendimento, que evitam a entrada de raios UV, e o calor. Existe ainda a renovação do ar feita através de uma máquina instalada no prédio que retira o ar poluído e troca por ar puro periodicamente em todas as salas. Segundo Sindeaux Filho, “estima-se uma redução de 30% nas faltas dos funcionários por causa de problemas respiratórios”, afirma.

*Com informações da VSM Comunicação



Recife e a lei dos telhados verdes

Sancionada na segunda-feira (13/04), a Lei Municipal 18.112/2015, da Prefeitura do Recife, estabelece o plantio de gramas, hortaliças, arbustos, arbusto e árvores de pequeno porte nas lajes dos edifícios. Com a nova Lei, prédios com mais de quatro andares deverão ter telhados verdes. O objetivo é aumentar as áreas verdes e reduzir os impactos do calor, tendo em vista que um prédio com telhado verde pode chegar a uma temperatura até seis graus mais baixa do que no seu entorno. O projeto também prevê a construção de reservatórios para captação de água da chuva, em imóveis residenciais e comerciais considerados novos e com área de solo acima de 500 metros quadrados, que tenha 25% do terreno impermeabilizado.

*Com informações do site: http://www.hypeness.com.br/2015/04/recife-aprova-lei-que-obriga-qualquer-predio-com-mais-de-4-pavimentos-tenha-telhado-verde/


quarta-feira, 15 de abril de 2015

Complexo para geração de 90 MW será apresentado em audiências públicas na Serra da Ibiapaba

A instalação de um complexo eólico com potencial para produzir 90.3 megawatts (MW) na Serra da Ibiapaba será debatido em duas audiências públicas, que acontecerão na próxima quinta-feira (16), em Ibiapina, e sexta-feira (17), em Ubajara. Ambas serão realizadas nas câmaras dos vereadores dos respectivos municípios. Esse momento de discussão e apresentação do projeto e estudo ambiental à sociedade faz parte do licenciamento ambiental, de responsabilidade da Superintendência Estadual do Meio Ambiente (Semace).

De interesse da empresa Geradora Eólica Bons Ventos Da Serra 2 S.A., o Complexo Eólico Bons Ventos da Serra 2 foi projetado para ser composto por cinco centrais eólicas, situadas nos municípios de Ubajara e Ibiapina. O projeto compreende uma área total de 581,76 hectares. Ao todo, serão 43 aerogeradores. Cada um com potência de 2.1 MW.

De acordo com o Estudo de Impacto Ambiental e seu respectivo Relatório (EIA/Rima) do empreendimento entregue à Semace, a expectativa de conclusão da montagem do complexo é de 16 meses, caso seja concedida a licença de instalação da obra. Segundo o estudo, estão sob a área de influência direta do empreendimento os sítios Tucuns, Vila Marques, Cachoeira do Boi Morto e Porteiras, no município de Ubajara, e Cacimbas, em Ibiapina.

Saiba mais

A audiência pública é uma das etapas do processo de licenciamento ambiental. Ela ocorre na fase de análise do estudo ambiental pelo órgão licenciador. Após sua realização e conclusão da apreciação do estudo, a equipe multidisciplinar da Semace emitirá um parecer técnico para conhecimento e deliberação do Conselho Estadual de Meio Ambiente (Coema) sobre a emissão da licença ambiental.

Serviço:

- Audiência Pública em Ibiapina:
Data: 16 de abril de 2015
Local: Câmara Municipal dos Vereadores, Rua Padre Ibiapina, 680, Centro.
Horário: 14 horas

- Audiência Pública em Ubajara:
Data: 17 de abril de 2015
Local: Câmara Municipal dos Vereadores, Avenida Monsenhor Gonçalo Eufrásio, 412, Bairro Deputado Grijalva Costa.
Horário: 9 horas

Fonte: Ascom da Semace

terça-feira, 14 de abril de 2015

Audiência Pública referente ao licenciamento do Complexo Eólico Bons Ventos da Serra 2


Cagece realiza oficina do Projeto Reciclocidades em Messejana

O Projeto Reciclocidades da Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece) realiza, a partir desta terça-feira (14) até sexta-feira (17) , uma oficina de reciclagem com as mulheres de um dos grupos produtivos que apoia. A oficina será na Associação de Moradores do Conjunto São Bernardo, em Messejana, das 14h às 17h, e tem como objetivo a produção de tapetes, a partir de material reciclado.
Esses grupos produtivos têm o apoio continuado da Cagece, por meio do Projeto Reciclocidades. O objetivo é trabalhar nos grupos, com ferramentas que lhes deem capacidade de geração de renda e emprego e inclusão social. Criado em 2009, o projeto Reciclocidades é um programa de responsabilidade socioambiental da Cagece que apoia e promove a formação de grupos produtivos, focados na reciclagem e sua comercialização.
A capacitação se dá por meio de oficinas que estimulam a coleta seletiva e reciclagem para confecção de peças artesanais, como bolsas, bijuterias, tapetes, almofadas e cestarias. Os produtos são realizados, a partir de insumos coletados pela comunidade beneficiada, como jornal, garrafas PET, retalhos de pano, revistas, cabos de vassouras, embalagens tetra pack, lona vinílica, etc.

SERVIÇO:
Oficina do Projeto Reciclocidades em Messejana
Local: Associação de Moradores do Conjunto São Bernardo
Endereço: Rua Nossa Senhora de Fátima, 123, Messejana
Dias: de 14.04.15 a 17.04.15
Horário: das 14h às 17h
Trabalho realizado: Confeccionar tapetes a partir de retalhos.

Fonte: Ascom da Cagece

Dia Nacional da Conservação do Solo

E nesta terça-feira (14/04), no Plenário 06, a partir das 14h30, haverá AUDIÊNCIA PÚBLICA CONUNTA DAS COMISSÕES DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E
DESENVOLVIMENTO RURAL E DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL. A reunião irá tratar do tema "Comemoração do Dia Nacional da Conservação do Solo, (Lei nº 7.876/1989), a ser realizada com a Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável - CMADS".

Expositores:
Deputado IRAJÁ ABREU - Presidente da Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural da Câmara dos Deputados;
Deputado ÁTILA LIRA - Presidente da Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Câmara dos Deputados;
Senadora KÁTIA REGINA ABREU - Ministra de Estado da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - Mapa;
Deputado VALDIR COLATTO - Autor do Projeto de Lei nº 1.301/2007, que "dispõe sobre o uso e a conservação do solo e da água no meio rural";
IZABELA MÔNICA VIEIRA TEIXEIRA - Ministra de Estado do Meio Ambiente - MMA;
MAURÍCIO ANTÔNIO LOPES - Presidente da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - Embrapa;(confirmado) e
ARNALDO COLOZZI FILHO - Pesquisador do Instituto Agronômico do Paraná - IAPAR.(confirmado)

Autor do Requerimento nº 043/2015, Deputado Valdir Colatto - PMDB/SC.

A informação é da Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável/DECOM.

sexta-feira, 10 de abril de 2015

Balneabilidade das praias apresenta nove trechos favoráveis em Fortaleza


A balneabilidade das praias de Fortaleza apresenta nove pontos próprios para a recreação primária. É o que aponta o novo relatório da Superintendência Estadual do Meio Ambiente (Semace), por meio da Gerência de Análise de Monitoramento (Geamo), divulgado nesta sexta-feira (10).

No total, 31 trechos estratégicos da Capital são analisados semanalmente pela equipe de técnicos da Geamo. As análises são baseadas em diretrizes da resolução 274 do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama).

Vários fatores podem influenciar na qualidade das águas, dentre eles: chuvas, ligações clandestinas de esgotos, aumento da maré, presença de animais no entorno, disposição inadequada de resíduos sólidos e regiões de adensamento urbano.

Além do monitoramento e divulgação das praias, a Semace realiza o trabalho de atualização das placas implantadas nos trechos indicados no boletim de balneabilidade. A Autarquia recomenda a identificação desses equipamentos antes das recreações no mar.

Veja os 31 trechos do boletim de balneabilidade da Semace:

SETOR LESTE
Posto 1 – Entre o Posto dos Bombeiros 08 e a foz do Rio Cocó
Posto 2 – Entre os postos 7 e 8 dos Bombeiros
Posto 3 – Entre os postos 6 e 7 dos Bombeiros
Posto 4 – Entre os Posto dos Bombeiros 6 até a Praça 31 de Março
Posto 5 – Entre a Praça 31 de Março até Posto dos Bombeiros 4
Posto 6 – Entre os postos 3 e 4 dos Bombeiros
Posto 7 – Entre os postos 2 e 3 dos Bombeiros
Posto 8 – Entre os postos 1 e 2 dos Bombeiros
Posto 9 – Entre a rua Ismael Pordeus até Posto dos Bombeiros 1
Posto 10– Entre o Farol até a Rua Ismael Pordeus
Posto 11 – Farol
SETOR CENTRO
Posto 12 – Entre a Praia dos Botes e o Farol
Posto 13 – Entre o Monumento do Jangadeiro até a Praia dos Botes
Posto 14– Entre a foz do Riacho Maceió e o Monumento dos Jangadeiros
Posto 15 – Entre a Volta da Jurema até foz do Riacho Maceió
Posto 16 – Entre Espigão da Desembargador Moreira até a Volta da Jurema
Posto 17 – Entre a Rua José Vilar e o Espigão da Av. Desembargador Moreira

Posto 18 – Entre Espigão da Rui Barbosa até a Rua José Vilar e o Espigão
Posto 19 – Entre os Espigões da rua João Cordeiro e Av. Rui Barbosa
Posto 20 – Entre o Aquário até o Espigão da Rua João Cordeiro
Posto 21 – Entre o Inace (Ind. Naval do Ceará) até o Aquário
SETOR OESTE
Posto 22 – Entre a Rua Padre Mororó até a Av. Alberto Nepomuceno
Posto 23 – Entre a Av. Philomeno Gomes até a Rua Padre Mororó
Posto 24– Entre a rua Jacinto Matos e a Av.Philomeno Gomes
Posto 25 – Entre a Av. Pasteur até a Rua Jacinto Matos
Posto 26 – Entre a Rua Francisco Calaça até a Av. Pasteur
Posto 27 – Entre a Rua Seis Companheiros até a Rua Francisco Calaça
Posto 28 – Entre a Rua Lagoa do Abaeté até a Rua Seis Companheiros
Posto 29– Entre a Rua das Goiabeiras até a Rua lagoa do Abaeté
Posto 30– Entre a foz do Rio Ceará até a Rua das Goiabeiras
Posto 31- Barra do Ceará
*Verde: próprio
*Vermelho: impróprio

Cadastro Ambiental Rural - CAR vira eficiente ferramenta de gestão municipal

Prefeitos revelam que o Cadastro Ambiental Rural é útil até mesmo para planejar rotas de transporte escolar

Por: Paulenir Constâncio – Editor: Sérgio Maggio
Dados do Cadastro Ambiental Rural (CAR) tornaram-se ferramentas de gestão para prefeitos de dezenas de municípios brasileiros. Servem até para o planejamento de rotas de ônibus escolares, escoamento de produção, previsão de arrecadação de impostos municipais e combate às queimadas. As informações são de prefeitos e gestores municipais que participaram, nesta quinta-feira (09/04), de debate sobre o tema com o Secretário de Extrativismo e Desenvolvimento Rural Sustentável, Paulo Cabral, no III Encontro dos Municípios Brasileiros, em Brasília.
O prazo para que o produtor rural faça o cadastro, que é declaratório, vai até o dia 5 de maio de 2015. A partir de 2017, aqueles que não tiverem cadastro perdem o direito ao acesso ao crédito bancário na hora de financiar a safra. Com a adesão, as propriedades rurais são automaticamente consideradas regulares do ponto de vista ambiental, ficando livres de autuação pelos dos órgãos de fiscalização federais e estaduais. A lei prevê sanções apenas para os que não se cadastraram e que desmataram em áreas de proteção ambiental e reservas legais a partir de 2008. Nesses casos, as multas podem se enviadas pelos Correios, apenas com base nas imagens de satélites, sem a presença da fiscalização.
A regra, expressa no novo Código Florestal, foi lembrada pelo secretário Paulo Cabral. Dos participantes, ele ouviu que alguns produtores rurais ainda veem o CAR como instrumento voltado para a fiscalização. “O cadastramento é, na verdade, um instrumento de gestão poderoso em várias áreas, tanto para o governo federal quanto para os próprios municípios”, destacou.

EXPERIÊNCIAS
Ex-prefeito de Nova Ubiratan, Omar Rossetto relatou a experiência em seu município, destacando o papel do CAR na administração municipal. “Não me vejo mais na gestão de uma prefeitura sem uma base de dados como essa”, afirmou. Ele lembrou que o CAR influenciou o escoamento da produção, contribuiu para o aumento da arrecadação no município, auxiliou no combate às queimadas e provocou até mesmo mudanças em rotas de transporte escolar. O município mato-grossense esteve na lista dos que mais desmataram na Amazônia Legal e conseguiu sair quando atingiu 80% de propriedades rurais cadastradas.
Presidente da Associação de Municípios do Alto Itajaí, onde o CAR chegou a mais de 90% das propriedades, Willando Khurth destacou o engajamento e a conscientização dos produtores como responsável pelo êxito no cadastramento na sua região. Vinícius Lopes, de Óbidos, no Pará, salientou que “O CAR não pode ser visto como custo para o município, mas como investimento na gestão e governança municipal”.

ENGAJAMENTO
A Ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, que não participou diretamente do debate, mas fez questão falar aos participantes, lembrou que "os municípios serão cobrados pelos estados a promover a recuperação das áreas”. O CAR é a base para o Programa de Recuperação Ambiental (PRA), destinado a recuperar as áreas de proteção ambiental e reservas legais desmatadas. A ministra ressaltou a importância do engajamento dos gestores municipais e apelou para que “todos os mais de cinco mil municípios concluam o CAR”. Mais de 40% do território previsto está na base de dados do CAR.

Fonte: Assessoria de Comunicação Social (Ascom/MMA) – (61) 2028.1173

quinta-feira, 9 de abril de 2015

Inca faz posicionamento sobre práticas de uso de agrotóxicos no Brasil

Confira o trecho do posicionamento público do Instituto Nacional de Câncer, o Inca, sobre atuais práticas de uso de agrotóxicos no Brasil. O documento completo ressalta sobre os riscos dos agrotóxicos para a saúde, em especial por sua associação com o  desenvolvimento do câncer. De acordo com órgão, o objetivo é fortalecer iniciativas de regulação e controle dessas substâncias que promovam a redução progressiva e sustentada do uso de agrotóxicos e a substituição do modelo agrícola dominante pela produção de base agroecológica.

Trecho do posicionamento do Inca:

"Os agrotóxicos são produtos químicos sintéticos usados para matar insetos ou plantas no ambiente rural e urbano. No Brasil, a venda de agrotóxicos saltou de US$ 2 bilhões para mais de US$7 bilhões entre 2001 e 2008, alcançando valores recordes de US$ 8,5 bilhões em 20111. Assim, já em 2009, alcançamos a indesejável posição de maior consumidor mundial de agrotóxicos, ultrapassando a marca de 1 milhão de toneladas, o que equivale a um consumo médio de 5,2 kg de veneno agrícola por habitante²."

Clique aqui para ver a íntegra do material.

Fonte: site do Inca

Ainda sobre a mancha vermelha na orla marítima de Fortaleza...

Ainda sobre a mancha vermelha na orla marítima de Fortaleza, nas imediações da Volta da Jurema, o blog Coluna Econews recebeu no dia 7 de abril o posicionamento da Fábrica GME. Confira a íntegra do material:

"A GME informa que, nesta madrugada, foi registrado vazamento de óleo vegetal alimentício em uma das tubulações de descarregamento do produto transportado por navio. O óleo vegetal alimentício não é tóxico. Por sua densidade, o produto ficará na superfície do mar, o que facilita  sua remoção.

Tão logo tomou conhecimento do fato, a empresa adotou todas as providências técnicas devidas e conseguiu sustar o vazamento. A fábrica dispõe de um plano de contingência e acionou imediatamente a empresa especializada contratada para os serviços de contenção, remoção e limpeza do produto. O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), bem como a Capitania dos Portos do Ceará,  já  foram cientificados e os seus respectivos agentes contam com a colaboração integral da empresa."

Mudanças nos processos construtivos da MRV evitaram a utilização de mais de 158 mil m³ de madeira

A MRV Engenharia, líder nacional no segmento de imóveis econômicos, conseguiu reduzir significativamente o uso de madeira nas suas obras com uma mudança inovadora na construção de seus empreendimentos, ao substituir o processo construtivo da laje pré-moldada convencional para a aplicação da laje içada. Por meio de um estudo, a construtora avaliou a utilização da madeira no período de janeiro de 2011 e dezembro de 2014 em 164 obras de todo país e constatou que com a mudança desta técnica foi possível economizar 158.507, 12 m³ de madeira, o que equivale a 2.232.495 árvores que deixaram de ser cortadas.

“A laje içada é um molde de metal onde o concreto é colocado para depois ser elevado até a estrutura do prédio. Esse tipo de estruturação não exige o uso de madeira, como a laje pré-moldada, de uso mais comum em construções”, explica o gestor executivo de SSMA da MRV, José Luiz Esteves da Fonseca. Além da economia dos recursos naturais, a técnica possibilitou um ganho de produtividade e industrialização do canteiro de obras e é uma opção para reduzir o consumo de insumos naturais que impactam o meio ambiente, tanto durante sua utilização como no processo de descarte desses materiais.

“É um resultado muito positivo e demonstra o cuidado que a MRV Engenharia tem tratado a política de sustentabilidade dentro de nossa companhia, alinhando produtividade,  qualidade e responsabilidade socioambiental. Vamos continuar trabalhando e seguindo as orientações das diretrizes governamentais, contribuindo continuamente para o meio ambiente e com as comunidades onde estamos inseridos”, destacou o executivo.

Além disso, outras ações sócio ambientais são realizadas pela MRV Engenharia para preservação do meio ambiente, como o plantio de árvores – em 2014 foram plantadas mais de 113 mil mudas, realização de palestras de conscientização para os colaboradores, limpeza de rios, entre diversas outras iniciativas. Ao todo, foram mais de 189 milhões de reais em projetos sócio ambientais e de urbanização somente nos dois últimos exercícios.

A MRV Engenharia

Fundada em outubro de 1979, em Belo Horizonte, a MRV Engenharia é líder nacional no mercado de imóveis econômicos. Em 35 anos de atividades, vendeu mais de 230 mil unidades. É a única construtora brasileira presente em 130 cidades de 19 Estados e no Distrito Federal. No ano de 2014 a companhia vendeu 41.325 unidades e lançou 29.386 imóveis.

* Colaboração: VSM Comunicação


Capacitação gratuita em meio ambiente e com direito a certificado!


A Coordenação do MBA em Gestão Ambiental da Estácio FIC convida todos para o Fórum Meio Ambiente e Sustentabilidade: Perspectivas e Desafios, que ocorrerá no dia 11/04 (sábado) na FEAAC. Trata-se de EVENTO GRATUITO, que seguirá a programação que se segue. O encontro é uma realização da FEAAC - Faculdade de Economia, Administração, Atuária, e Contabilidade da Universidade Federal do Ceará, em parceria com o Centro Universitário Estácio do Ceará.
Local: FEAAC - Faculdade de Economia, Administração, Atuária, e Contabilidade - Auditório Geraldo da Silva Nobre - Avenida da Universidade, 2431, Benfica - Bloco Didático II.

Programação: 11/04/15


9hs às 10h30 - Palestra "Licenciamento Ambiental: uma visão sob o enfoque da Espeleologia" - Prof Me Felipe Monteiro, gestor da Semace, atuando na Sema (Secretaria do Meio Ambiente), antigo Conpam, na área de educação ambiental.


14hs às 15h30 - Palestra "Controle e Monitoramento Ambiental na Indústria", com o Professor Alexandre Pinto, que atua como técnico na Gerência de Controle Ambiental da Semace.


16h às 17h30 - Palestra "Mudanças Globais - a crise da água e do clima no Brasil", com o Prof. Dr. Carlos Germano Ferreira Costa, consultor do Inter-American Institute for Cooperation on Agriculture (IICA).


Inscrições somente por email: Profª Vivianne Roldan - vsalasroldan@gmail.com Coordenação MBA em Gestão Ambiental / Estácio FIC - Núcleo Fortaleza - (85) 97949513


No ato da inscrição por email, enviar nome completo, RG, grau de instrução, ocupação profissional, email e telefone. 

Haverá certificado de participação!

O assunto é... sacolinhas plásticas ecológicas!


Você sabia que a maioria dos supermercados e outros estabelecimentos de São Paulo adotaram neste mês de abril novas regras para as sacolinhas de plásticos usadas pelos consumidores? Na ocasião, estão saindo de cena as sacolas brancas tradicionais dando espaço para as embalagens nas cores verde e cinza, as chamadas sacolinhas recicláveis ou ecológicas, e que passam a ser cobradas em alguns pontos comerciais. A verde para lixo reciclável e a cinza para o orgânico. Com a nova regulamentação, conforme decreto 55.827/2015 da Prefeitura, que proíbe os estabelecimentos de oferecerem aos consumidores as antigas sacolinhas plásticas, o consumidor paulistano está pagando por uma sacola, em média, R$ 0,10. Mas vale lembrar que o comprador também tem a opção de pedir caixas de papelão ou sacolas de papel caso o estabelecimento ofereça tais alternativas. De acordo com a Prefeitura de São Paulo, o foco é de ordem ambiental uma vez que as sacolas brancas não são biodegradáveis.



Sacolinhas



As sacolinhas de plástico brancas são feitas de petróleo, portanto, em sua produção utilizam mais processos poluentes, além de ressaltar que a sua destinação final também pode ocasionar a poluição do meio ambiente. Já as sacolinhas reutilizáveis ou ecológicas usam matéria-prima da cana de açúcar e são consideradas menos agressivas ao meio ambiente.


Decreto 55.827

O Decreto 55.827, de 6 de janeiro de 2015, regulamenta a Lei nº 15.374, de 18 de maio de 2011, que dispõe sobre a proibição da distribuição gratuita ou venda de sacolas plásticas a consumidores em todos os estabelecimentos comerciais do Município de São Paulo. Mais informações no link: http://www3.prefeitura.sp.gov.br/cadlem/secretarias/negocios_juridicos/cadlem/integra.asp?alt=07012015D%20558270000

Foto ilustativa: site www.novafaseembalagens.com.br

quarta-feira, 8 de abril de 2015

Semace realiza fiscalização na APA da Bica do Ipu

No intuito de coibir degradações ambientais na Área de Proteção Ambiental (APA) da Bica do Ipu, a Superintendência Estadual do Meio Ambiente (Semace), por meio da Diretoria de Fiscalização (Difis), realizou a Operação Ipuçaba, referente à fiscalizações na Unidade de Conservação Estadual, localizada no município de Ipu. A ação, ocorrida entre os dias 9 e 13 de março, teve como objetivo promover vistoria técnica para averiguar infrações ambientais referentes a barragens, poluição, captação irregular de água, entre outras irregularidades.
Bica do IpuAs fiscalizações ocorreram em conjunto com a Secretaria do Meio Ambiente (Sema), Núcleo de Apoio Técnico (NAT) da Procuradoria Geral de Justiça, Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos (Cogerh), Secretaria dos Recursos Hídricos (SRH) e o Batalhão da Polícia Militar Ambiental (BPMA). Na oportunidade, a Semace contou com o apoio da Promotoria de Justiça daquela região.
Ao todo, foram atendidas 17 ocorrências de fiscalização e a Semace emitiu autos de infração ambiental, termos de embargo e notificações relacionados a utilização irregular de barragens, loteamentos e abatedouros sem licença ambiental, descarte irregular de agrotóxicos, todos gerando impactos ambientais que atingem direta ou indiretamente a dinâmica das águas do riacho Ipuçaba em direção a Bica do Ipu. A Cogerh juntamente com a SRH emitiu notificações relacionadas ao uso irregular da água.
Os autuados irão responder não só administrativamente, mas criminalmente, pois as infrações ambientais estão configuradas como crime pela Lei de Crimes Ambientais (Lei Federal n° 9.605/1998).
DSC07211De acordo com a Difis, a Semace continuará fiscalizando a APA da Bica do Ipu e as demais Unidades de Conservação estaduais com o propósito de que o respeito ao meio ambiente venha a ser uma questão cultural e não somente um comportamento passageiro causado pelas sanções aplicadas através das ações fiscalizatórias.
As vistorias ocorreram desde a nascente do Riacho Ipuçaba, passando pelas localidades de São Paulo, Mato Grosso, Gameleira e Várzea do Jiló até a Bica do Ipu. A operação também teve o intuito de promover a revitalização do Riacho e requalificação da Bica, local de importância histórica e cultural para o estado do Ceará.
A Operação Ipuçaba foi composta pela equipe de fiscais ambientais da Semace: Eliê Regina Marques e Leandro Monteiro (grupo de Unidades de Conservação) e Carlos Magno Campelo (grupo de Recursos Hídricos).


DSC07268